A Johnson & Johnson é mais uma a entrar na lista de empresas na última fase de testes de uma possível vacina contra o COVID-19. A companhia farmacêutica Janssen Pharmaceuticals, que pertence ao grupo, anunciou nesta quarta-feira (23) ter começado a vacinar 60 mil voluntários, inclusive pessoas aqui no Brasil. E com um diferencial: a vacina da J&J é de dose única, e não dose dupla, como as vacinas de outros laboratórios.

Agora na fase 3, os testes da vacina da Johnson & Johnson devem apresentar os primeiros resultados no final deste ano ou início de 2021. O anúncio foi feito por Paul Stoffels, diretor científico da J&J, em uma coletiva de imprensa conjunta com autoridades do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (NIH) e do governo do presidente Donald Trump.

Também nesta quarta-feira, a J&J publicou um protocolo de estudo detalhado de seu teste de estágio avançado em seu site. A companhia também disse que a segurança e o nível de proteção dos estudos até então foram promissores em testes com animais, e que uma única dose pode oferecer proteção suficiente “por um longo tempo”. Stoffels acredita que levará entre seis a oito semanas para concluir totalmente o estudo.

Se tudo ocorrer como o planejado e a vacina se mostrar totalmente segura e eficaz, o laboratório prevê fabricar pelo menos 1 bilhão de doses em 2021, mantendo o ritmo de produção mesmo após esse período. Em todo o caso, Stoffels declarou que a J&J planeja fabricar doses antes da aprovação dos órgãos de saúde, para já ter alguns lotes disponíveis para a população.

“Os benefícios de uma vacina de dose única são potencialmente profundos em termos de campanhas de imunização de massa e de controle pandêmico global”, disse o doutor Dan Barouch, pesquisador de vacinas de Harvard que ajudou a desenvolver a vacina da J&J contra COVID-19, à agência Reuters.

Segundo Barouch, além de se mostrar eficiente usando apenas uma dose, a vacina da Johnson & Johnson tem outra vantagem em comparação às demais vacinas: ela não precisa ser armazenada em temperaturas extremamente frias. Com isso, o medicamento pode ser adaptar mais facilmente ao clima de diferentes países, sem perder suas propriedades.

Nesta terceira e última fase dos testes, os pesquisadores vão avaliar se a vacina pode prevenir o coronavírus nos níveis moderado a grave com apenas uma dose. Esta última etapa também pretende verificar se a vacina pode ser útil contra casos mais brandos do vírus, embora o foco estejam mesmo nos casos mais severos. Depois de 15 dias que os primeiros voluntários tiverem sido vacinados, o laboratório começará a contar o número de infectados por COVID-19 e se eles haviam sido imunizados.

Os testes a fase 3 da vacina da J&J serão realizados em até 215 locais nos EUA, África do Sul, Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México e Peru.

[Reuters]