O MacBook Air mudou o conceito de laptop por ser um computador portátil de corpo fino, com armazenamento SSD e leve de se carregar por aí. O preço? Bem, não é dos mais amigáveis no mercado brasileiro. Com isso em mente, a Asus lançou o Zenbook 14 por aqui, um laptop com todas essas características, mas bem menos caro, em parte por ser fabricado no Brasil, segundo afirma a marca.

Passei umas duas semanas utilizando-o como meu computador principal, e já digo que é uma boa escolha para quem quer mobilidade, conveniência e está disposto a gastar uma grana. Mesmo sendo mais barato que o MacBook Air, ele não é tão acessível assim para a maioria das pessoas.

Asus Zenbook 14 fechado

Compacto e levinho

Para começar, o corpo dele é super leve e com acabamento de metal. A tela de 14 polegadas (1920 x 1080) chama bastante atenção, pois a Asus, como tem feito em seus smartphone, usou um display Full HD com bordas mínimas, o que o torna, segundo a empresa, o “menor notebook de 14 polegadas do mundo”.

Asus Zenbook 14 fechado e de lado

Agora, o que devo admitir que gostei mesmo é o nível de portabilidade dele. Ele só pesa 1,09 kg, então consegui levá-lo por aí na mochila sem grandes sacrifícios. Isso talvez tenha relação com um trauma de um laptop antigo meu da HP, que pesava 2,35 kg. Em algumas coberturas de evento, tinha de carregá-lo por quilômetros, então ter algo que pode ser levado na mochila e não vai destruir suas costas me parece uma grande evolução.

Uma curiosidade sobre a tela é que ao abrir o laptop, ela tem uma espécie de dobradiça, chamada de ergolift, que ajuda a dar uma leve inclinada no teclado. Isso ajuda, por exemplo, o usuário ficar numa posição mais confortável para digitar e auxilia o sistema de ventilação do laptop, já que a parte de baixo não fica tapada pela superfície da mesa onde se apoia o notebook.

Detalhe da lateral do laptop Zenbook 14, da Asus

Aliás, falando em teclado, ele é retroiluminado e vem no padrão ABNT2, o que me deixou particularmente feliz, pois uso computador da Apple há um tempo e o padrão é o norte-americano. Então, a cedilha (ç) e a tecla do til (~) estavam no Zenbook 14.

Talvez pensando no usuário corporativo que eventualmente precisa preencher planilha, a Asus incorporou no touchpad o que eles chamam de NumberPad. Basicamente, você tem um touchpad convencional. Aí, o usuário pode ativar o modo número, fazendo com que teclas numéricas fiquem destacadas naquela área. Além dos números, tem ali o ponto (.), alguns operadores para cálculo. (+, -, / e *), o backspace e a tecla enter.

Na minha rotina, não tenho de ficar digitando números a toda hora. Então, consegui até com certa facilidade preencher uma planilha de teste só para checar o nível de precisão. Minha única dificuldade foi alternar entre o modo touchpad convencional e o NumberPad. Tinha de tocar um pouco mais forte no lado direito superior da área sensível do touchpad — às vezes, segurar o 1 segundo exigido funcionava, noutras, não. Talvez fosse por falta de prática. Se eu usasse mais números, poderia ter pego o jeito da coisa mais rápido.

Detalhe do teclado retroiluminado do Zenbook 14

Algo que o comprador do Zenbook 14 não pode reclamar muito é da falta de portas: tem HDMI, tem duas USB-A, uma USB-C, entrada para fone P2 e leitor de cartão microSD. Então, a não ser para usos muito específicos será necessário comprar algum dongle para adicionar mais portas e funcionalidades.

Algumas das portas presentes no Zenbook 14, da Asus

Usando

Fazia tempo que não usava o Windows 10, então rolou um certo choque inicial. Porém, não houve nenhum tipo de travamento ou coisa do tipo nas principais atividades do meu dia a dia. Também pudera, né? O Zenbook tem um processador Intel Core i7 de 8ª geração, 8 GB de RAM e 256 GB de armazenamento.

O Zenbook 14 vem com o Windows 10 Home, e isso pode ser um motivo de preocupação para quem quiser utilizá-lo num ambiente corporativo. Na prática, isso quer dizer que ele não conta com algumas configurações avançadas de política de rede. Porém, para uso pessoal, este licenciamento do Windows deve ser o suficiente. Não foi meu caso, mas acho importante deixar isso claro.

Ao mexer no laptop, foi um pouco curioso, pois isso me fez pensar no tipo de aplicação que eu uso. E a conclusão é que a maioria das funcionalidades do meu dia a dia são feitas usando algum tipo de serviço web. No máximo, uso um editor de foto, o Pixelmator, para dar um tapa em imagens para subir no site. Então, como você pode imaginar, eu uso o Google Chrome com umas 15 abas abertas, mais ou menos.

Asus Zenbook 14 com o Google Chrome abertoPoderia me tratar no abridores de abas anônimos. Crédito: Alessandro Feitosa Jr/Gizmodo Brasil

Dito isso, preciso falar sobre o uso de bateria do laptop. Como sabemos, o Chrome não é dos navegadores mais econômicos em termos de memória RAM e de consumo de bateria. A Asus fala em uma autonomia de até 13 horas, medido com o benchmark OfficeMark. Em meu uso real, após uma hora de uso com ele totalmente carregado, ele foi para 84%. Parei um tempo para almoçar e deixei ele no modo hibernar.

(Um detalhe chato do modo hibernar é que ele deixa uma luzinha piscando; então, um dia trouxe o computador para casa, parei de trabalhar e fui dormir. Aí notei uma luzinha chata pra caramba me incomodando. Conclusão: tive de abrir o computador e desligá-lo completamente para acabar a chateação)

Luz do modo hibernar do Zenbook 14Esta luzinha aí encheu minha paciência, pois ela fica piscando quando está no modo hibernar. Crédito: Alessandro Feitosa Jr/Gizmodo Brasil

Quando voltei, ele já estava com 77%. Ao todo, ele durou umas 6 horas, porém a saber: estava com aba do YouTube Music tocando música e outras dez páginas abertas, incluindo a do Discord (para me comunicar com a equipe), do Gizmodo Brasil e a do Google Analytics, que mostra detalhes do tráfego do site em tempo real. Resumindo: usei bem e a bateria não chegou próximo ao sugerido pela Asus.

Em um outro teste com o Microsoft Edge, tentei rodar um vídeo no Prime Video com apenas uma aba para ver se fazia muita diferença. Coloquei o documentário “Luis, el sabio Del exito”, que conta a história do ex-técnico de futebol da Espanha Luis Aragonés, e a bateria não perdeu carga tão rápido. A previsão, enquanto rodava o vídeo, era de 11 horas, o que fica mais próximo do sugerido pela Asus.

Talvez no uso de aplicações mais offline ou simplesmente usar um navegador menos fominha, as coisas sejam melhores.

Ao todo, para carregar a bateria de 50 Wh leva cerca de 2h30min com o carregador de 65W.

Para não dizer que não fiz nada de mais diferente, instalei o Fortnite no laptop para checar como a placa de vídeo integrada se comportava. Bem, rolaram alguns poucos travamentos na renderização de alguns itens, mas foi possível jogar o game da Epic Games.

Para quem é?

Na minha cabeça, é para quem precisa de mobilidade, prioriza design e tem uma grana sobrando. Se for para um uso simples, como o meu, a Asus tem outros aparelhos da linha Vivo Book, que são mais baratos e suprem a necessidade de quem precisa de um laptop para usar coisas na web. Agora o Zenbook 14, até por ser a linha topo de linha de laptops da empresa, acaba sendo um produto diferenciado. Chegar numa reunião com ele impõe um respeito, sabe?

Voltando à comparação com o MacBook Air, o Zenbook 14 tem hardware melhor (Intel Core i7 + 256 GB SSD + 8 GB de RAM) quando o colocamos lado a lado com a versão mais barata da Apple, que custa R$ R$ 9.699 e tem Intel Core i5, 128 GB SSD e 8 GB de RAM.

O Zenbook 14 pode ser encontrado no varejo com preço que varia de R$ 5.299 a R$ 6.499. Então, se estiver interessado mesmo, melhor pesquisar antes para não acabar pagando mais caro.

[produto_amazon1]

Especificações do laptop Asus Zenbook 14

  • Sistema operacional: Windows 10 Home
  • Processador: Processador Intel Core i7-8565U 1,8GHz quad-core com Turbo Boost (até 4,6GHz) e cache 8MB
  • Memória: 8GB 2133MHz LPDDR3 onboard
  • Armazenamento: 256 GB SSD/512 GB SSD
  • Portas: 1 x USB 3.1 Ger 2 Tipo C (até 10Gbps), 1 x USB 3.1 Tipo A
    (até 10Gbps), 1 x USB 2.0 Tipo A, 1 x HDMI, entrada de som P2 e 1 x Leitor de cartão MicroSD
  • Bateria: 50Wh (até 13 horas de autonomia)
  • Peso: 1,19 kg
O Gizmodo Brasil pode ganhar comissão sobre as vendas. Os preços são obtidos automaticamente por meio de uma API e podem estar defasados em relação à Amazon.