LG G5 SE é oficial e pode ser única variante high-end do smartphone no Brasil

O LG G5 ganhou uma versão inferior com processador mais lento e menos RAM. Rumores dizem que esta será a única variante disponível no Brasil.

O LG G5 é um smartphone de metal com bateria removível e suporte a módulos que expandem sua funcionalidade. Ele ganhou uma versão inferior com processador mais lento e menos RAM. Rumores dizem que esta será a única variante disponível no Brasil. Será mesmo?

O site russo da LG mostrou por um breve momento o smartphone conhecido como LG G5 SE. Ele tem processador Snapdragon 652 e 3 GB de RAM, contra o Snapdragon 820 e 4 GB de RAM em seu irmão mais potente.

Bizarramente, o site não mencionava suporte a 4G, mas não se preocupe com isso: o G5 SE já foi homologado pela Anatel e oferece suporte às bandas 4G usadas no Brasil.

No restante das configurações, ele é igual ao LG G5: tela IPS de 5,3 polegadas com resolução 2560×1440, 32 GB de armazenamento expansível por microSD, duas câmeras traseiras (de 16 MP e 8 MP) e câmera frontal de 8 MP.

A bateria removível mantém seus 2.800 mAh e permite encaixar módulos para controlar a câmera e para inserir um DAC (conversor digital-analógico) no smartphone. A porta USB Type-C e o leitor de digitais na traseira também estão lá.

Sem G5 no Brasil?

Este normalmente não seria um lançamento tão importante se não fossem por rumores de que a América Latina só vai receber o LG G5 SE, não o G5, para a coreana alcançar patamares menores de preço. (Em comunicado ao Gizmodo Brasil, a LG diz que “não está comentando sobre a possível chegada do LG G5 no país”.)

Tudo começou no site chileno Pisapapeles, que conversou com o gerente de vendas Cristián Correa. Ele teria dito durante a feira MWC, em fevereiro:

A versão latino-americana será com Snapdragon 652, com base no feedback que tivemos de várias operadoras na região ao sondar alternativas de acessórios, onde a realidade virtual não atraiu muito interesse. É por isso, além da valorização da moeda em nossos países, que se buscou uma economia de forma que o produto não ficasse tão caro…

Caso isso se confirme, um dos principais motivos para a LG lançar um smartphone inferior seria o preço. O G5 SE poderia custar bem menos que o Galaxy S7, por exemplo, sem perder tanto no desempenho.

Benchmarks mostram que o Snapdragon 652 é ligeiramente mais lento que o Snapdragon 810, presente na maioria dos flagships do ano passado, porém é mais rápido que o 808 presente no LG G4. Cesar Cardoso, que comanda o blog Pinguins Móveis, diz o seguinte:

Chegamos a um ponto do desenvolvimento dos SoCs em que a experiência de usuário não muda muito entre um telefone com um 65x, ou mesmo chips mais antigos como os 80x, e um com 820 – a não ser, tal como nos PCs, que você seja um gamer voraz de jogos pesados. Ou seja, um SoC supermédio não é o ideal, mas é “bom o suficiente” pros usos que as pessoas fazem dos celulares.

Sony e HTC seguem estratégia semelhante

E a LG não seria a única a seguir esta estratégia. A Sony anunciou este ano o Xperia X Performance com processador Snapdragon 820, mas diz que vai concentrá-lo em mercados asiáticos. Para outros países, ela aposta no Xperia X com Snapdragon 650.

Talvez a HTC esteja fazendo algo semelhante. Em países como Índia, Indonésia e China, o site oficial do HTC 10 exibia apenas um modelo “Lifestyle” com processador Snapdragon 652 e 3 GB de RAM. (O HTC 10 tem Snapdragon 820 e 4 GB de RAM.) No entanto, o site foi atualizado e menções ao HTC 10 Lifestyle foram removidas.

Sony e HTC não são exatamente exemplos do que fazer no mercado de smartphones – ambas estão em apuros há algum tempo – mas talvez a LG esteja seguindo o caminho delas. Você se importaria de comprar um LG G5 “capado” se ele fosse mais barato que a concorrência no high-end?

[9to5Google e The Verge]

Atualizado em 27/04

Sair da versão mobile