Agora que você tem uma noção melhor de como as diferentes partes de sua câmera funcionam, nós iremos dar uma olhada em suas várias configurações. Nessa aula nós iremos cobrir o básico, e na aula seguinte nós iremos dar uma olhada no modo manual.

Eis aqui o que nós iremos abordar hoje:

Modos de disparo, ou as diferentes maneiras que a sua câmera pode ajudar você a tirar uma foto.

Modos de Flash e quando usá-los.

– O que as diferentes configurações de aprimoramento de imagem fazem e para que elas servem.

Funções para auxiliar na hora do disparo, como foco automático.

– Uma breve olhada no modo vídeo.

Modos de disparo

A maioria das câmeras vem com alguns tipos diferentes de modo de disparo, desde totalmente automático até totalmente manual. Nós iremos dar uma olhada nos mais comuns e discutir quando você deve usá-los. Você pode não estar familiarizado com termos como velocidade do obturador, abertura do diafragma e ISO, mas não se preocupe – nós iremos detalhar isso na próxima aula.

Automático cuida de tudo para você. Não há muito que explicar aqui.

 

 

 

Programação automática define a abertura do diafragma e velocidade do obturador automaticamente, mas deixa você controlar outras configurações como ISO (essa configuração afeta quão sensível o sensor da sua câmera é para luz – similar a velocidade do filme em câmeras analógicas).

 

Modos de cenas geralmente tem ícones que representam o seu propósito, como uma montanha para paisagens ou uma pessoa se movendo rapidamente para esportes. Modos de cenas podem ser úteis se você quer que a câmera auxilie você a fotografar os tipos de foto para qual cada modo foi feito, mas esperamos que depois de completar essas aulas você não precise ou queira usá-los mais.

 

Prioridade do obturador permite que você configure a velocidade do obturador e ISO, mas faz com que a câmera ajuste a abertura do diafragma automaticamente. Esse modo é útil se a velocidade do obturador é a consideração mais importante quando você estiver tirando uma foto. Isso normalmente é o caso quando você quer ter certeza que você tirou uma foto rápida o suficiente para capturar o movimento, mas não se importa com a abertura. Isso é útil para fotos de esportes, dança, ou qualquer coisa com muito movimento.

Prioridade da abertura do diafragma permite que você ajuste a abertura do diafragma e ISO, mas deixa que a câmera ajuste a velocidade do obturador automaticamente. Isso é útil quando a abertura é a consideração mais importante em sua fotografia. A abertura pode ser responsável por muito do impacto visual que sua foto tem porque é um dos fatores que mais contribui na profundidade de campo. Uma abertura muito grande (representada por um número pequeno como f/1.8) irá produzir uma foto onde o seu objeto/modelo estará com foco bem nítido mas o segundo plano estará bastante fora de foco. Isso é útil para retratos, ou focar em um único objeto ao invés de um frame cheio de coisas. Uma abertura de diafragma pequena (representada por um número maior como f/8) irá produzir uma foto onde quase tudo parece estar em foco. Isso é útil para paisagens, ou qualquer outra situação onde manter tudo em foco é desejável. Aberturas maiores também deixam entrar mais luz, então eles são úteis quando você não tem muita luz e quer evitar usar flash. Prioridade da abertura é um dos melhores modos de disparo que a sua câmera tem porque ele ainda permite que você controle as configurações da ISO (sensibilidade da luz) e a velocidade do obturador é muitas vezes algo que é melhor deixar para a câmera decidir a menos que você tenha um motivo para decidir por si só. Não se preocupe se você não entendeu isso completamente ainda. Nós iremos discutir abertura do diafragma, velocidade do obturador e ISO com muito mais detalhes na próxima aula.

Modo manual deixa você configurar tudo, e nós iremos discutir este modo em detalhes na próxima aula. Todavia, é importante notar que esse modo não implica no foco manual com câmeras DSLR. Trocar entre foco manual e automático é geralmente um botão dedicado no hardware em suas lentes e não na câmera. Se você quiser focar manualmente em uma DSLR, você pode usar qualquer modo de disparo que você quiser se o botão estiver ajustado para manual nas lentes.

 

Modos do flash

Sua câmera tem alguns modos diferentes de flash, e a maioria deles você nunca irá precisar. Eis aqui como eles são chamados e o que eles fazem.

Flash Automático irá disparar o flash apenas quando necessário, o que a câmera determina ao interpretar a luz disponível no que você estiver fotografando. Isso geralmente acontece quando não há luz suficiente em nenhum lugar do quadro ou se o que você estiver fotografando estiver com uma iluminação por trás e consequentemente aparecer escuro para a câmera.

 

Flash automático com redução de olhos vermelhos funciona da mesma maneira que o modo flash automático padrão, mas tenta reduzir o efeito de olhos vermelhos que o flash muitas vezes produz. Se você for usar um modo automático de flash, você pode usar este.

 

 

Flash forçado significa que o flash dispara com qualquer exposição independente da câmera achar que ele é ou não necessário. Esse é o modo que você escolhe quando você sabe que você sempre vai precisar do flash, ou simplesmente ache que é engraçado deixar um monte de pessoas temporariamente cegas.

 

Flash sincronizado lento (com redução de olhos vermelhos) é o que você quer usar em uma situação com bem pouca luz, já que a velocidade do obturador será reduzida e o flash precisa oferecer repetidos disparos de luz para compensar. Se você estiver usando um modo automático, a câmera irá determinar quando é necessário fazer isso automaticamente. Entretanto, se você sabe que irá precisar de um flash sincronizado lento, você pode força-lo a entrar nesse modo.

 

Sem flash é bastante óbvio. Ele desliga o flash para que ele não seja usado sob nenhuma circunstância.

Flashes externos terão modos adicionais e configurações na própria unidade do flash, então se você tiver um flash externo bacana, experimente tudo que ele pode fazer.

 

Configurações de aprimoramento de imagem

Nem todas as câmeras tem configurações de aprimoramento de imagem, mas nos últimos anos está se tornando cada vez mais comum nas DSLRs e câmeras compactas bacanas. As funções que você deve prestar mais atenção são as de correção de luminosidade e redução de ruído. Correção de luminosidade (e tom), que são chamadas de D-lighting em câmeras Nikon e Auto Lighting Optimizer e Highlight Tone Priority (o modo foi dividido em dois) na Canon, tentará guardar mais detalhes das partes sub- e superexpostas das suas fotografias enquanto também melhoram a cor. Redução de ruído faz o que você deve ter imaginado – reduz ruído. Isso também reduz detalhes. Correção de luminosidade tende a aumentar o ruído. Basicamente, esses modos são legais, mas eles tem suas desvantagens. Muitas vezes você pode ajustar o quão agressivamente eles vão alterar suas fotos. Configurar para eles não alterarem muito é recomendado.

Modo vídeo

Nós estamos lidando com fotografia, então nós não iremos falar muito sobre o modo vídeo. Ele também é tratado de modos bem diferentes por câmeras diferentes porque atualmente não há bem um padrão. E também, o modo vídeo varia significativamente entre os diferentes tipos de câmera. Point-and-shoots podem rapidamente ajustar o foco automaticamente no modo de vídeo e agir bem parecido com uma câmera de vídeo dedicada. Câmeras compactas mirrorless com lentes intercambiáveis tendem a dar mais qualidade de vídeo mas o foco automático é um pouco mais lento e não é muito fácil de focar manualmente. Câmeras DSLR geralmente produzem vídeos de alta qualidade, o foco automático é bem ruim (isso se ela fizer de fato), mas permitem um controle excelente no foco manual. Se você estiver gravando um vídeo com uma DSLR, você irá querer ficar mais confortável enquanto estiver focando manualmente as suas lentes.

Quando você grava um vídeo em qualquer câmera, ele geralmente fica salvo na mesma pasta de fotos de seu cartão de memória, mas algumas câmeras tem uma pasta dedicada para vídeo. Se o arquivo dor salvo como AVI, MOV, ou MP4, você poderá apenas copiar direto da sua câmera e rodá-lo. Todos esses formatos também funcionam bem para enviar para sites de compartilhamento de vídeo como YouTube ou Vimeo. Outros formatos podem ser vídeo streams que normalmente necessitam de conversão para serem utilizados, então consulte o manual da sua câmera se você não reconhece o tipo do arquivo.

Se você quer aprender mais sobre vídeo, dê uma olhada no nosso guia para gravar vídeos legais com a sua DSLR.

Isso é tudo por hoje, mas na próxima aula nós iremos mais a fundo nas configurações manuais e iremos aprender como ele afeta seu funcionamento e as fotos resultantes.

Você pode seguir Adam Dachis, o autor desse post, no TwitterFacebook. Mas o Twitter é a melhor maneira de entrar em contato com ele.