O Mac OS X 10.7 Lion chegou. É uma grande evolução em relação ao seu antecessor, com uma interface muito mais elegante. Confira um guia visual e as primeiras impressões de suas novidades.

O Mac OS X Lion é mais um passo para o novo – ou melhor dizendo, renovado – paradigma da interface de nossos computadores: computação modal. E, pelo caminho, eles pegaram os pedaços de maior sucesso do iOS, como a App Store – com instalação automática de aplicativos – e a tela principal do aparelhos com iOS, o springboard – que no Lion recebeu o nome de launchpad. A Apple também adicionou novos elementos de interface, batizados de Mission Control.

Mac App Store

Ela funciona exatamente como a App Store dos aparelhos com iOS. Com a mesma barra de navegação principal e os mesmos controles simples. Quando você compra um aplicativo na loja, o Mac o instala automaticamente e o coloca no Launchpad.

Esse detalhe pode parecer idiota para os usuários mais avançados, mas se você já conviveu com usuários comuns, sabe o quanto eles odeiam instalar aplicativos num Mac, mesmo com o sistema drag and drop. Pelo jeito, a Apple ficou sabendo disso também.

Modo tela cheia

Todos aplicativo baixados na Mac App Store terão opção de tela cheia. Isso não significa (ainda) que as janelas irão sumir, mas é claramente um grande passo para a experiência completa de computação modal no futuro – algo também sensível na interface de usuário do iLife ’11. 

Essas mudanças foram criadas para simplificar a experiência do usuário, e chegar mais próximo da experiência que 95% dos usuários gostam nos iPhones e iPads. Acredito que em breve as janelas que conhecemos serão substituídas completamente, mesmo para aplicativos pesados como o Photoshop. Na realidade, se você for analisar programas para uso profissional – como o Final Cut Pro – você encontrará o mesmo cenário: o software dominando toda a tela para fazer algo específico.

No entanto, a computação modal pode trazer alguns problemas. Nada complexo, na verdade. É preciso dar ao usuário uma maneria efetiva de passear entre as ações de forma veloz e nada confusa. Baseado na demonstração de hoje, é possível dizer que a Apple encontrou uma solução elegante tanto para controle de aplicativos modais quanto para aplicativos que usem janelas.

O objetivo é claro: simplificar a experiência no computador e centralizá-lo na tarefa do momento, que é o que o usuário quer. E também a abertura do caminho para a computação ao toque completa (que eu não tenho dúvidas que virá na próxima geração de Macs – é só ver como funciona o novo iPhoto).

Launchpad

O Launchpad funciona exatamente como no iPad. Ele mostra todos os aplicativos instalados em seu computador, que são controlados pela nova App Store, com várias páginas para navegação, usando gestos – por enquanto ainda no mouse e no touchpad.

Mission Control

Praticamente o novo Exposé dos Macs, agora com integração do dock e visualização de todos aplicativos abertos, tanto os que usam janelas quanto os que usam tela cheia.

Disponibilidade

O que Jobs fez hoje foi só mostrar um pouco do novo sistema, para aguçar os ânimos de quem gosta de uma maçã. O Lion só deve chegar mesmo nos primeiros meses de 2011, sem data exata, e nenhuma previsão de preço, pelo menos por enquanto.