Talvez, você já tenha ouvido falar da máfia de macacos de cauda longa que residem ao redor do Templo de Uluwatu, em Bali, Indonésia, e que se tornaram famosos há alguns anos por roubar turistas e exigir comida em troca da devolução dos itens furtados. Como se isso não fosse surpreendente o suficiente, um novo estudo descobriu que alguns dos macacos intencionalmente roubam itens que têm mais valor aos humanos para obter uma recompensa melhor.

Conduzido por pesquisadores da Universidade de Lethbridge, no Canadá, e da Universidade Udayana, na Indonésia, o estudo descobriu que os macacos realizavam “processos de tomada de decisão econômica sem precedentes” quando roubavam itens e os mantinham em troca de uma recompensa.

Os pesquisadores afirmaram que essa prática – que também foi analisada em estudos semelhantes com macacos em cativeiro no laboratório – é específica a uma população, prevalente, intergeracional, aprendida e socialmente influenciada. Este pode ser o primeiro exemplo de uma economia simbólica mantida culturalmente em animais selvagens, eles escreveram.

O estudo foi publicado na semana passada na revista Philosophical Transactions of the Royal Society B.

No entanto, nem todos os macacos roubam no mesmo nível. Os pesquisadores descobriram que a idade desempenha um papel neste processo, com macacos mais velhos roubando itens que são mais valorizados pelos humanos. (O estudo se referiu aos macacos adultos como “os ladrões mais habilidosos”.)

“Esses indivíduos mais habilidosos e seletivos pareciam tomar decisões econômicas, como evidenciado por associações comportamentais claras entre posse de itens baseada em valor e quantidade ou qualidade de recompensas alimentares rejeitadas e aceitas”, escreveram os autores.

Para chegar ao fundo desse esquema, os pesquisadores analisaram 333 macacos selvagens por 273 dias de setembro de 2015 a agosto de 2016. Um conjunto adicional de 15 macacos foi analisado em dezembro de 2019. Os dados observacionais foram coletados por meio da gravação de macacos que olhavam para possíveis alvos humanos e chegavam a cerca de cinco metros deles. Os alvos humanos foram definidos como visitantes do templo vestindo ou carregando pelo menos um objeto não comestível que era “mais ou menos provável” de ser trocado por comida se roubado, de acordo com o estudo.

Os tipos de itens visados ​​pelos macacos foram classificados em seis grupos: contêineres vazios (estojos para telefones e bolsas para câmeras); acessórios (grampos de cabelo e chaveiros); chapéus (bonés e diferentes tipos de chapéus); sapatos (chinelos, sandálias de salto); óculos (de grau e de sol); e aparelhos eletrônicos e carteiras (telefones celulares, câmeras e bolsas). Os pesquisadores então organizaram esses itens em grupos de valor baixo, médio e alto, de acordo com a frequência com que os humanos queriam negociar com os macacos em troca deles.

Itens de baixo valor, como recipientes vazios e acessórios, raramente eram trocados por humanos, descobriu o estudo. Itens de valor médio, como chapéus e sapatos, eram frequentemente trocados. Enquanto itens de alto valor, como óculos, dispositivos eletrônicos e carteiras, quase sempre eram trocados.

Voltando à questão da idade. De acordo com o estudo, quanto mais velhos os macacos, mais propensos eles eram a roubar um item cobiçado. Os subadultos tiveram mais sucesso do que os jovens, enquanto os adultos tiveram mais sucesso do que os subadultos e os jovens. Mas uma coisa é roubar algo, outra é negociar e ser recompensado por isso. Nesse aspecto, adultos e subadultos mais uma vez saíram em primeiro lugar, enquanto os juvenis ficaram por último.

Com a idade, vem a sabedoria, ou mais especificamente, neste caso, a capacidade de diferenciar entre itens de valor baixo, médio e alto. O estudo descobriu que os macacos jovens não se importavam com os tipos de objetos que roubavam, mas os macacos subadultos e adultos preferiam aqueles de alto ou médio valor aos de baixo valor.

Por fim, os pesquisadores decidiram dar uma olhada nos “indivíduos mais habilidosos e seletivos”, ou os macacos subadultos e adultos. Em termos de quantidade, os dois grupos esperaram para receber mais recompensas em alimentos antes de devolver o item, quando julgaram que era de alto valor. Macacos adultos eram ainda mais exigentes quando se tratava de qualidade e rejeitavam mais tipos de recompensas alimentares que não eram de seu agrado ao segurar um item de maior valor.

O Dr. Jean-Baptiste Leca, principal autor do estudo e professor associado de psicologia na Universidade de Lethbridge, disse ao Guardian que roubar e negociar é uma expressão da inteligência cultural dos macacos.

“Esses comportamentos são aprendidos socialmente e foram mantidos por gerações de macacos por pelo menos 30 anos nessa população”, disse ele.