De acordo com estudo do Yankee Group, a internet 3G no Brasil deve contar com 4,6 milhões de usuários até o fim do ano. Quase metade dos quase 10 milhões de assinantes de banda larga fixa e crescendo — já em 2011, segundo a Pyramid Research, a banda larga móvel terá mais usuários que a internet por telefone ou cabo. Seria bom melhorar o serviço agora, não?

Outro estudo publicado recentemente, da Yankee Group, aponta que 51% dos usuários de internet 3G não usam banda larga fixa. Faz sentido: o serviço 3G abriu as portas para muitos que estavam fora da banda larga — por ter um nível de entrada ligeiramente mais barato — e para aqueles que (como eu) precisam ter internet em vários lugares.



E, de acordo com a Pyramid Research, preço e mobilidade, além da facilidade de instalação, serão os fatores que tornarão a internet 3G maior que a banda larga fixa: pelas projeções, em 2011 serão 18 milhões de assinantes móveis, contra 17 milhões de assinaturas fixas. E a consultoria só leva em conta acessos móveis a partir de modems e placas PCMCIA — ou seja, descontam tethering e notebooks com 3G embutido! Será que terá esse crescimento todo? Se rolar, o mais impressionante é que a internet móvel é bastante recente no Brasil: na verdade, faz só um ano e meio que as redes 3G foram estreadas por aqui.

As consultorias podem prever o que quiser, mas eu quero estabilidade — e chega de limites de tráfego! Além do Speedy e de Wi-Fi, uso o plano da Claro de 250Kbps — que, depois que trafego 1GB de dados (uns 2-3 dias), cai para 128Kbps. E os planos de 500Kbps e 1Mbps têm esta mesma limitação de tráfego: a velocidade cai para 128Kbps! De que serve ter internet com velocidade de banda larga fixa (1Mbps) se em um, dois dias vira uma tortura assistir um vídeo no Youtube? E o sinal 3G de algumas operadoras (Oi *cof* *cof*) anda bastante errático, e obriga alguns a navegar em rede 2G. O governo também deve ficar atento com a demanda por 3G e liberar mais faixas de frequência para o serviço — ou o 3G pode perder qualidade.

A TIM é um bom péssimo exemplo para as operadoras: tem sinal bom por aqui, de acordo com o Mapa 3G, e eles oferecem serviço sem limite de tráfego a partir de 90 reais por mês mas escondem o limite de tráfego — o site diz que não há qualquer limite de tráfego; no contrato consta um limite, não definido; e o atendimento disse que a franquia é de 1GB, mas não soube dizer para quanto cai a velocidade depois que se atinge 1GB. Pior que ter limite, é ter limite e não deixar isso claro. [Valeu Bruno e juanlourenco!]

Hoje, a TIM oferece serviço 3G de 1Mbps por R$119,90. Pago R$99,90 pelo Speedy na mesma velocidade. Com o tempo, a internet 3G deve baixar de preço — e melhorar de qualidade. Assim consigo ver o 3G superando a banda larga fixa: mal posso esperar para poder depender apenas do meu modem 3G para acessar a internet. [IDG via TudoCelular; imagem via Flickr]