A Microsoft basicamente enterrou ontem o Windows Mobile 6.5, mostrando o bastante promissor Windows Phone 7. Mas poucas semanas antes, a HTC provou que é possível fazer um celular com WinMo bastante agradável de usar – desde que você esconda o SO atrás da belíssima interface Sense. Eles fizeram isso no HD2, um monstro com processador de 1 GHz e tela de 4,3”. Não demos muita atenção para ele aqui (não há previsão de chegada dele no Brasil e ele ainda não foi lançado nos EUA), mas deveríamos. Brinquei um bocado com ele e fiquei impressionado. Tenho um vídeo.

 



O Sense UI, essa camada da HTC que aparecia antes apenas nos celulares com Android, cobre basicamente tudo que você precisa mais frequentemente no telefone. Desde o estiloso relógio característico às animações em relação à previsão do tempo, tudo é bonito. A maneira com que ele lida com os contatos, agrupando histórico de mensagens, e-mails e updates, é bem parecido com o que é proposto no Windows Mobile 7, mas com um visual diferente – e igualmente interessante. A tela grande permite uma navegação de internet bem boa, e a manipulação de documentos do Office (ou e-mails no Outlook) ficam muito bacanas com a grande área. 

Ele é 3 gramas mais leve que o Motorola Milestone, então pode ser considerado razoavelmente portátil, apesar do efeito Homem Berinjela no bolso. A tela é capacitiva e com multitouch (num celular com Windows Mobile 6.5! Impressionante), e é a mais usável que já mexi, basicamente empatada com a do iPhone 3GS. O que não gostei: as cores não são tão vibrantes quanto nos últimos telefones da Samsung, por exemplo, ou mesmo no Motorola Milestone. A câmera de 5MP não produziu fotos muito boas, e o vídeo tem uma resolução bem ruinzinha. E se você quiser fazer algo muito diferente do normal, terá que trazer a telinha do Windows Mobile, que tem menus terríveis, feito para ser usado com uma stylus.

De qualquer forma, é realmente impressionante o tamanho da mágica que a HTC conseguiu fazer para tornar a experiência agradável. Parece que o processador Snapdragon de 1 GHz (o mesmo do Nexus One) é meio que necessário para fazer um sistema tão pesado rodar tão lindamente. Apesar do tamanhão e do WinMo 6.5, o HD2 tem feito bastante sucesso aqui, segundo o representante da HTC gente boa que demonstrou o produto pra mim. Há reviews bastante positivos, como do GSMArena, que crava:

Se ao menos nós tivéssemos esse tipo de hardware e software uns dois anos atrás, ninguém teria levado o iPhone a sério.

Não sei se iria tão longe, mas achei tudo realmente bastante bonito e divertido de usar – resta ver como é o ambiente de aplicativos. Perto do HD2, o Omnia II da Samsung, o outro celular com Windows Mobile 6.5 que tem ganhado um bocado de publicidade, é uma piada de mal gosto. Tentei mexer no Samsung e a experiência de uso é tão frustrante – especialmente com a tela pouco responsiva – que não dá nem para começar a falar de qualquer qualidade que ele tenha.

O HTC HD2 está à venda em alguns países da Europa e na Ásia. Chega nas próximas semanas nos EUA, e ainda não tem previsão de aterrissar pelo Brasil – onde ele custaria um milhão de milhões. Na Inglaterra, ele sai por razoáveis 395 Libras (R$ 1.154), desbloqueado. Comprando-o pela operadora Virgin, com um plano de cerca de R$ 120 por mês (dados e voz ilimitados), você leva o bichão de graça. Bom pros ingleses.