Que fique claro: se você foi consultar o status do seu pedido de auxílio-desemprego e teve que digitar "safado" ou "vagabundo" na caixa de verificação (a conhecida CAPTCHA), não é nenhuma indireta do Ministério do Trabalho.

É mancada de uma empresa terceirizada, a Datamec, que cuida do serviço de verificação. A chance é a mesma de encontrar palavras como, por exemplo, "trabalhador" e "otimista".

Geralmente a caixa de verificação tem um código alfanumérico; acredito que a ideia de usar palavras era facilitar a verificação pelos trabalhadores. Mas, como as palavras foram escolhidas automaticamente, o Ministério do Trabalho passou por esta saia-justa.

Pena que o serviço de verificação nem é tão bom assim. Você não vê uma sequência de letras: existem sete, das quais só uma é uma palavra em português — que pode ser, além das citadas, "potranca", "frouxo" e "saliente".

O ministério já pediu para a Datamec retirar palavras comprometedoras; já estão fazendo isso desde segunda-feira, sem previsão de quando vão terminar — são 4 mil palavras a serem verificadas, uma a uma. Será que vão tirar alguém do auxílio-desemprego para fazer esse trabalho? Matam dois coelhos com uma cajadada só. [G1 e O Globo]