Nicholeen Viall, da NASA, desenvolveu uma nova técnica de visualização para estudar as flutuações na temperatura do Sol — e os vistosos resultados são surpreendentemente belos. Cada cor na composição de Viall representa a mudança de temperatura da estrela no decorrer de 12 horas. O novo método pode ajudar cientistas a entenderem melhor os mecanismos necessários para conduzir a temperatura do Sol e os movimentos da corona solar.

Viall conseguiu fazer isso analisando dados coletados pelo Observatório Solar Dinâmico da NASA. Seu mapa de calor usa as cores vermelha, laranja e amarela para indicar uma área que foi resfriada, e azul ou verde se a área esquentar. O tom exato é determinado pelo tempo que leva para a mudança na temperatura ocorrer.

Sim, este é o Sol versão Monet.Basicamente, o mapa é uma visualização do lapso necessário para esquentar ou resfriar uma área específica do Sol.

Olhando para o mapa, a riqueza de vermelhos, laranjas e amarelos indica que, ao longo de um intervalo de 12 horas, a área isolada passou por uma fase de resfriamento. Mas como não existe uma forma exclusiva de a temperatura variar, Viall concluiu que o aquecimento deve ser rápido e impulsivo — um processo que acontece tão rápido que não aparece em seus vídeos. Isso talvez ofereça mais evidências à teoria de que o sol exibe “nanoexplosões” de energia para aquecer a corona. [Daily Mail. Imagens via NASA]