Um dos meus sonhos de infância era conseguir enganar uma máquina de venda automática com objetos parecidos com moedas de 25 centavos. Quer dizer, o quão esperta uma máquina dessas pode ser, certo? Errado. Está mais para como eu era uma criança burra.

• A mágica de derramar água num bonequinho desenhado com marcador
• Olha só a evolução da nota de um dólar ao longo de 155 anos

Essas máquinas usam sensores de luz para medir o tamanho de uma moeda e eletroímãs para detectar o tipo de metal, determinando assim que tipo de moeda é. Se você não tem o formato de uma moeda de 25 centavos e não foi construído com uma, você não será uma moeda de 25 centavos para elas.

Conforme o vídeo abaixo explica, após identificar tamanho e tipo de metal, a máquina divide as moedas em colunas, desviando as falsificadas para o duto de rejeição. Para retornar o troco, as colunas cuidadosamente soltam uma moeda por vez, lançando-as ao local de retirada.

Para acertar o seu pedido, um computador, escondido atrás dos botões, coordena um de 32 motores do tamanho de uma caixa de fósforos, fazendo-o virar uma espiral em 360 graus.

E se, antigamente, as máquinas costumavam, de vez em quando, travar o lanche lá dentro, as mais modernas contam com um sistema sofisticado para evitar a dor de cabeça para os clientes: ao cair, o objeto comprado rompe uma linha de 10 feixes de luz infravermelhos. Se nada passar por eles, o computador repete o processo, girando as espirais.

Todo o sistema do que acontece dentro dessas máquinas automáticas é bem interessante.

Imagem do topo: Reprodução