Boa notícia para quem planeja colonizar Marte no futuro: aquela paisagem frígida na qual você espera gastar os seus dias na escuridão está atualmente em uma “fase quente”. Cientistas relatam a primeira evidência observacional de que Marte recentemente emergiu de uma era glacial, o que só pode significar uma coisa. É hora de entrar no planeta e terraformá-lo.

>>> Marte está chegando à distância mais próxima da Terra em uma década
>>> Vestígios de dois megatsunamis antigos foram descobertos em Marte

Usando dados de radares de penetração solar coletados pela Mars Reconnaissance Orbiter da NASA, uma equipe de cientistas do Southwest Research Institute descobriu fortes evidências de uma acumulação acelerada de gelo no polo norte de Marte no passado geológico recente.

A descoberta, detalhada na Science, confirma o que modelos preveem desde o começo dos anos 2000: o Planeta Vermelho teve uma era glacial recente que acabou há cerca de 370.000 anos.

Assim como a Terra, Marte flutua entre fases glaciais e interglaciais durante as variações na órbita do planeta conforme ele circula o Sol. Mas em Marte, esses chamados “ciclos de Milankovitch” são mais drásticos do que aqui.

Enquanto a variação da inclinação axial da órbita da Terra é de aproximadamente 2 graus entre as eras glacial e interglacial, em Marte a mudança pode chegar a 60 graus. Além disso, pela proximidade da forte gravidade de Júpiter, a órbita de Marte se torna meio esticada, ou excêntrica, a cada meio bilhão de anos.

marte-2

Uma leitura de radar 2D do polo norte de Marte, coletada pelo Mars Reconnaissance Orbiter. Camadas abaixo da linha azul em a e b mostram as mudanças no acúmulo de gelo em comparação com a mudança climática. Imagem: Southwest Research Institute

Quando mudanças na inclinação axial e na excentricidade combinam corretamente, Marte passa por uma era glacial. Mas não é nada parecido com os períodos de gelo que temos aqui na Terra.

“Durante a era do gelo na Terra, os polos ficam mais frios, causando um crescimento do gelo que flui em direção para cobrir o Canadá e o norte da Europa,” disse Smith ao Gizmodo. “O contrário é o que acontece em Marte. Conforme o planeta aumenta a inclinação, os polos ficam mais quentes.”

Como resultado, o gelo migra para longe dos polos e em direção às latitudes médias de Marte. É por isso que, quando Smith e seus colegas observaram um pequeno aumento na taxa de acúmulo de gelo próximo à superfície da calota polar norte de Marte, eles sabiam que uma idade do gelo tinha terminado recentemente.

Do ponto de vista da colonização humana, é uma excelente notícia. O novo estudo estima que existem aproximadamente 87.000 quilômetros cúbicos de gelo seco preso no polo norte de Marte agora. É muito CO2 que está congelado, e tudo no mesmo lugar. Se levarmos a sério a ideia de Elon Musk de jogar uma bomba nuclear no polo de Marte, provavelmente conseguiríamos fazer a atmosfera ficar muito mais espessa e quente rapidamente.

“A forma mais rápida de aumentar a pressão [atmosférica] é ao liberar esse CO2 congelado,” disse Smith. “Não seria o suficiente para humanos viverem, mas daria para começar.”

E se terraformar Marte for o objetivo, não há tempo a perder. Smith reconhece que temos apenas mais 150.000 anos antes do início da próxima era do gelo de Marte.

Imagem: ESA/DLR/FU-Berlin/Ralf Jaumann