“Eu não quero morrer”. Foi isso que Destin, do canal do YouTube Smarter Every Day, disse quando o nível de oxigênio caiu bastante e ele ficou completamente incapacitado de colocar a máscara de oxigênio nele próprio, pois seu cérebro não estava funcionando como deveria.

Destin foi à NASA para testar como é ficar dentro de uma cabine despressurizada em um avião (que é quando as máscaras de oxigênio caem) para saber por que você deve colocar a máscara em si primeiro neste tipo de situação. O vídeo (acima e apenas em inglês) da experiência de Destin é impressionante e amedrontador ao mesmo tempo.

>>> A Airbus desenvolveu um avião que promete reduzir os horríveis efeitos do jet lag
>>> Um estudo concluiu que o jet lag é pior quando viajamos em direção ao leste

Como a saturação dos níveis de oxigênio cai, ele começa a ter hipóxia, e você pode ver como funções básicas humanas (como querer dizer que continuar a viver) param de funcionar. Em questão de minutos, uma pessoa normal passa a não conseguir mais reconhecer formas, não consegue mais mexer as mãos e não consegue colocar a máscara para se salvar — as companhias aéreas recomendam, quando há despressurização, que os passageiros coloquem primeiro a máscara de oxigênio em crianças e idosos.

Quando seu cérebro fica sem oxigênio, as coisas podem ficar feias rapidamente. Na simulação do vídeo, eles estavam em um ambiente de 25 mil pés com a cabine despressurizada, o que deu a ele de 3 a 5 minutos de consciência. A 35 mil pés, altura atingida por voos comerciais, você terá alguns poucos segundos de consciência, no caso de despressurização rápida — quando é lenta, o tempo de consciência é de até um minuto.

temp-descompressao

Gráfico mostra tempo de consciência dependendo da velocidade de despressurização da cabine. Crédito: SmarterEveryDay 

Então, é importante que você coloque primeiro a máscara de oxigênio em si antes de ajudar aos outros. Se você tentar ajudar uma pessoa antes, você pode ficar inconsciente antes.

Foto do topo por Miika H/Flickr