A mobilização do MercadoLivre contra o aumento no preço dos fretes dos Correios está surtindo efeito. A companhia conseguiu na Justiça Federal uma liminar que suspende o reajuste nos preços do PAC e SEDEX e a cobrança de uma taxa emergencial de R$ 3 para o Rio de Janeiro. Os novos valores passariam a valer a partir desta terça-feira (6).

• O que dizem Correios e Mercado Livre sobre o aumento no preço das entregas
• Correios terão rastreamento de encomendas em tempo real

No entanto, a decisão contempla apenas o MercadoLivre – outros e-commerce e clientes comuns precisarão pagar os novos preços que, segundo os Correios, terão aumento médio de 8%. O número é contestado pelo marketplace, que diz que em algumas localidades as entregas serão 51% mais caras e que “o vendedor que optar por subsidiar o frete terá um aumento médio em suas despesas com logística de 29%”.

A decisão foi assinada pela juíza Rosana Ferri, da Segunda Vara da Justiça Federal de São Paulo e ainda cabe recurso. De acordo com nota enviada ao G1, os Correios disseram que “foram notificados e estão trabalhando para obter a suspensão da liminar. Enquanto isso, a empresa está cumprindo a decisão judicial, que se aplica somente às demandas do Mercado Livre”.

Em comunicado, o MercadoLivre disse que “com essa importante decisão, os usuários do Mercado Livre não serão impactados pelos aumentos impostos pelos Correios, confirmando a visão da companhia de como uma medida unilateral dos Correios pode impactar seriamente a inclusão geográfica, digital e econômica, especialmente para aqueles clientes das regiões mais remotas do país”.

Segundo a companhia, a campanha contra o frete abusivo não terminou – até porque, os Correios recorrem da decisão. “Precisamos continuar com força total para que a decisão seja definitiva e que esse engajamento ajude outras empresas de e-commerce”, escreve em seu site.

Imagem do topo: Paulo rsmenezes/Wikimedia