Novas atualizações do navegador Microsoft Edge poderão contar com uma VPN integrada. Batizada “Rede segura”, a novidade ainda não tem data para estrear, mas já foi comentada nesta página de suporte para usuários da Microsoft.

Mas, afinal, o que é VPN? A sigla em inglês quer dizer “rede privada virtual”. Ela é um tipo de protocolo de segurança que faz a criptografia de uma conexão de internet. Isso permite que você tenha uma conexão segura mesmo usando uma rede pública.

[foo_related_posts]

Quando você ativar o “Rede Segura” e navegar na internet usando o Edge, páginas maliciosas não terão acesso às páginas que você visita e sua localização – que estarão seguros com a VPN. Essa tecnologia, portanto, dificulta o rastreamento de dados dos usuários por sites mal intencionados, diminuindo o risco de golpes e vazamentos. 

Mas, para além do quesito segurança, a função dos VPNs de ocultar a localização também costuma ser usada para acessar sites e serviços bloqueados em determinada região. Usando uma VPN da Europa, por exemplo, usuários conseguem assistir, no streaming, a programas disponíveis apenas ali — mesmo estando a milhares de quilômetros de distância.

O serviço de VPN integrada gratuita já havia sido implementado em navegadores como o Opera, por exemplo. Agora, é a vez da Microsoft fazer o mesmo.

Quem consome até 1 GB de dados por mês poderá usar a “Rede segura” do Edge gratuitamente. Já limites de dados maiores provavelmente poderão ser contratados por planos pagos — algo que ainda não foi confirmado pela Microsoft.

Vale, porém, uma menção: como destacou o site Tech Radar, não se sabe se o usuário poderá escolher a rede VPN que vai utilizar. O mais provável é que o novo IP virtual seja um da mesma região. Sendo assim, quem tivesse planos de tentar usar a VPN do Edge para contornar eventuais bloqueios do streaming poderia acabar frustrado.

O serviço de VPN do Edge é fruto de uma parceria da Microsoft com a Cloudfare, empresa de tecnologia e serviços online. E o fato de o serviço não ser uma “solução 100% caseira” da Microsoft não deve afetar a segurança de quem usa. 

“A Cloudflare está comprometida com a privacidade e coleta apenas uma quantidade limitada de dados de diagnóstico e suporte, sendo apenas um subprocessador de dados da Microsoft para fornecer os serviços”, disse a empresa, em comunicado. A Microsoft garante que quaisquer dados captados pela Cloudfare são excluídos permanentemente a cada 25 horas.

Ainda não há uma data para o lançamento do recurso. Normalmente, novidades são testadas primeiro em versão beta nas versões do Edge para desenvolvedores – como Dev e Canary — para daí serem lançadas para valer. A empresa se limitou a dizer que a novidade chegará “em breve” para todos os usuários.