No começo da semana, uma cena devastadora foi vista por moradores de Hampton Bays, Nova York, quando milhares e milhares de peixes mortos surgiram no canal de Shinnecock. Eis o que causou este apocalipse de peixes.

Do outro lado do rio: retificações, canalizações e projetos abandonados dos rios de São Paulo
Cientistas descobrem rio lendário em ebulição na Amazônia

Esses peixes não foram mortos por algas tóxicas ou resíduos industriais. Em vez disso, eles morreram por falta de oxigênio. Assim como mamíferos, peixes precisam de oxigênio para sobreviver, e como donos de aquários sabem, a água em que os peixes residem precisa contar quantidades enormes desse gás.

“Isto é muito preocupante…este era o canal Shinnecock nesta manhã”

De acordo com o Departamento de Conservação Ambiental do Estado de Nova York, os peixes estavam fugindo de predadores quando chegaram ao canal. Infelizmente para eles, o canal estava fechado durante a noite, o que os deixou sem saída. Como a quantidade de peixes era cada vez maior, eles acabaram rapidamente com o oxigênio da água. Milhares de peixes morreram asfixiados, criando um manto de cadáveres fedidos na superfície do canal.

Quando o canal abriu na manhã seguinte, muitos dos peixes mortos flutuaram de volta ao mar, ou foram parar na costa. Alguns até conseguiram sobreviver. Diversos pescadores foram ao local em busca de peixes para servir como isca – eles pretendem usá-los para pescar lagostas e robalos.

Como precaução, o departamento responsável está coletando amostras de água para realizar testes de patógenos e pesticidas.

[Popular Science]