Atualização de Android é sempre um campo minado. Nunca se sabe quando ou, mais importante, se determinado modelo será atualizado. A Motorola Mobility não tem a melhor fama nesse assunto, mas agora sob as asas do Google, ela quer mudar isso.

Para quem quer mudar um ponto tão controverso, o começo da reação não foi dos mais animadores. A nova linha Razr, anunciada há pouco, começará a ser vendida equipada com o Ice Cream Sandwich. Jelly Bean? Até o fim do ano, como atualização. Tudo bem, tudo bem. Talvez estejam ainda ajustando os ponteiros no pós-compra pelo Google. Talvez a linha 2013 venha atualizada e engrene um cronograma Nexus-like. Talvez.

Quem já tem um smartphone da empresa lançado entre 2011 e 2012 ganhou a promessa de atualização para breve. Mas há um porém aí: nem todos os aparelhos receberão o Jelly Bean. Para aqueles que não entrarem nessa, a Motorola inovou e como compensação oferecerá um crédito de US$ 100 para a compra de um novo smartphone. Faça as contas: dá para pegar um Razr M (lá fora e sob contrato, claro) e ficar com uma doleta de troco.

Entramos em contato com a Motorola Mobility do Brasil para saber se isso valerá aqui também e, assim que recebermos a informação, atualizaremos este post. E aproveitando o gancho, sabemos que terça que vem a empresa fará uma coletiva no Brasil (estaremos lá!), provavelmente para falar do Razr HD que, por sinal, já foi visto em alguns eventos da Claro sobre 4G. Já homologado na Anatel, não seria surpresa vê-lo lançado primeiro aqui do que nos EUA.

Sobrou para outras fabricantes Android

Outra coisa curiosa dessa união, ainda um pouco nebulosa, mas com potencial destrutivo suficiente para ligar o alerta, é a relação com a concorrência. O Google sempre disse que a compra da Motorola Mobility não afetaria a sua relação com as parceiras do Android. Até hoje, tudo bem. Mas enquanto o CEO da Motorola anunciava os novos Razr, ele disparou à queima-roupa contra Samsung e HTC ao falar de como as baterias dos seus flagships são piores do que a do Razr HD. Duas das maiores parceiras do Google e promotoras do Android. Depreciar o iPhone 4S, tudo bem, mas aliados? Como assim, Google? [The Verge. Foto: Marc Flores/Flickr]