A Mozilla, organização por trás do navegador Firefox, está buscando novas fontes de financiamento. Uma das iniciativas é a criação de recursos “premium” – a primeira delas é um serviço de VPN (Virtual Private Network, ou Rede Virtual Privada) com aplicativos para Android, Windows 10 e Chromebook.

O Firefox Private Network está em fase beta e é preciso de um convite para assiná-lo por US$ 4,99 (R$ 21,80, na cotação atual) mensais. Com essa grana, você consegue conectar até 5 dispositivos em servidores espalhados por 30 países. Bons serviços desse tipo sempre são pagos, vale notar.

Para quem não está familiarizado com VPNs, trata-se de uma ferramenta que cria uma “espécie de túnel, quase sempre criptografado, entre um dispositivo conectado à internet (computador, celular) e um servidor remoto”, como explica de forma didática o Manual do Usuário. A ideia para se usar um serviço desse tipo, geralmente, é aumentar a privacidade e segurança ao ocultar o seu endereço de IP e criptografar boa parte de seus rastros – ou burlar filtros de localização.

A solução da Mozilla utiliza o protocolo Wireguard, com a promessa de ser mais veloz e seguro do que outros padrões utilizados pela concorrência. A organização diz estar trabalhando para liberar aplicativos para mais plataformas.

Você pode se inscrever e esperar por um convite no site do FPN (Firefox Private Network).