Uma mulher na Itália desenvolveu uma condição médica rara bastante cabeluda, literalmente. Em um estudo de caso, médicos descrevem como a mulher teve o surgimento de pelos, parecidos com os cílios dos olhos, dentro da boca. Pior ainda, os pelos continuavam crescendo após a sua remoção inicial (aviso: mais adiante no texto, há imagens da condição).

De acordo com a autora do estudo, Khrystyna Zhurakivska, pesquisadora de odontologia clínica da Universidade de Foggia, os sintomas da mulher começaram há mais de uma década.

Por volta dos 19 anos, ela foi ao médico se queixando de pelos que estavam crescendo em suas gengivas. Testes adicionais também revelaram que ela tinha cistos nos ovários. Os médicos, então, pensaram que ambos os sintomas foram causados por um distúrbio hormonal relativamente comum, conhecido como síndrome do ovário policístico (SOP).

Mulheres com SOP tendem a produzir mais testosterona do que o normal, o que pode levar ao aumento do crescimento de pelos no corpo – uma complicação chamada hirsutismo.

O hirsutismo normalmente acontece no rosto, peito ou costas. Mas o crescimento de cabelo dentro da boca de uma pessoa foi documentado pouquíssimas vezes.

Os médicos, que publicaram um artigo sobre o caso original em 2009, trataram a síndrome do ovário policístico da mulher usando anticoncepcionais hormonais orais e removeram os pelos. Quatro meses após a visita inicial, os pelos não tinham voltado a crescer e a mulher parecia estar progredindo bem no tratamento.

Mas seis anos depois, a então mulher de 25 anos voltou a visitar os médicos, agora com cabelos ao longo do pescoço e do queixo e “cabelos castanhos, semelhantes aos cílios” dentro de sua boca.

Os cabelos tinham voltado algum tempo após ela interromper o tratamento para a SOP, fazendo com que os autores deste novo estudo de caso – que inclui alguns dos médicos que tinham participado do tratamento de seis anos atrás – concluíssem que a SOP era realmente a causa de seus problemas capilares.

Os pelos da boca da mulher. Imagem: Zhurakivska, et al.

“Uma vez que a descoberta se repetiu seis anos após a primeira observação, isto nos levou a compreender que não se tratava de uma descoberta ocasional, mas que provavelmente foi um defeito estrutural e um desequilíbrio hormonal que persistiu, dando origem a este fenômeno”, disse Zhurakivska ao Gizmodo num e-mail.

De acordo com o estudo de caso, publicado na edição de fevereiro da revista Oral Surgery, Oral Medicine, Oral Pathology and Oral Radiology, os pelos da boca da mulher foram removidos uma segunda vez, enquanto amostras do tecido da boca foram retiradas para estudo.

Ela também foi encaminhada a um endocrinologista e foi solicitada a retornar três meses depois – o que ela não fez. Um ano depois, ela voltou, com ainda mais pelos nas gengivas superior e inferior, que foram novamente removidos.

Uma vez que o problema dos pelos parecia se resolver enquanto ela se tratava da SOP, é provável que o tratamento continuado ajude a amenizar a condição. Não está claro porque ela parou de seguir com o tratamento.

A SOP é uma condição para a vida toda, conforme explicou Zhurakivska, e é quase certo que ela desenvolva o risco de futuros episódios de pelos na boca.

Os pesquisadores só conseguiram encontrar outros cinco casos de pelos da boca na literatura médica, a maioria dos quais envolvia apenas um ou dois pelos. Além disso, esse parece ser o primeiro caso em uma mulher, além de ser o primeiro associado a SOP.

Não é biologicamente impossível que cabelos possam crescer em nossas bocas, explica Zhurakivska. Os tecidos da boca se desenvolvem no útero a partir da mesma camada de células que dão origem à nossa pele exterior, e têm o potencial de crescer estruturas tipicamente encontradas nas células da nossa pele, como as glândulas sebáceas e cabelo.

Na verdade, glândulas sebáceas extras na boca, que parecem inchaços amarelos ou esbranquiçados, são uma coisa muito comum e inofensiva.

Imagem: Zhurakivska, et al

Mas não há “nenhuma explicação clara” para o porquê dessas glândulas serem comumente vistas na nossa boca, embora o crescimento de pelos quase nunca aconteça.

Mistérios à parte, acho que podemos ficar felizes por não termos que arrancar os pelos da boca de vez em quando.