Enquanto os países tentam conter a pandemia de coronavírus fechando estabelecimentos e incentivando as pessoas a não saírem de casa, um dos principais recursos que nos resta para passar o tempo são as plataformas de streaming. Isso significa um aumento agressivo no número de pessoas consumindo dados de internet ao mesmo tempo, o que fez com que a União Europeia solicitasse que empresas como YouTube, Netflix e Amazon se atentassem a possíveis problemas.

Diante disso, a Netflix afirmou em comunicado que vai reduzir o tráfego em 25% em suas redes, começando pela Itália e Espanha, e posteriormente Reino Unido e o resto da Europa. No Brasil, segundo a empresa, a medida deve entrar em vigor em até dois dias.

Um ponto ressaltado pela empresa é que os clientes vão continuar recebendo pelo o que pagaram: ultra-alta definição (UHD), alta definição (HD) ou definição padrão (SD). No entanto, o usuário “poderá notar uma pequena queda na qualidade em cada resolução”.

Para que nem todos os usuários sejam impactados da mesma forma, a Netflix afirma que a redução de tráfego de 25% iniciado na Europa será aplicada em grandes áreas de quarentena imposta pelo governo. Já em outras regiões, não haverá mudanças por enquanto.

O YouTube também afirmou que, a partir desta terça-feira (24), passaria a reduzir a qualidade dos vídeos no mundo todo em um esforço para ajudar a aliviar o tráfico de internet durante o período de quarentena. Por padrão, os vídeos carregarão em qualidade standard (480p).

O Globoplay foi o primeiro serviço de streaming brasileiro a anunciar a redução da qualidade da imagem dos seus conteúdos na última segunda-feira (23) para “preservar a infraestrutura da internet brasileira”.