Não é de hoje que sabemos que a situação do Nexus 7 no Brasil é estranha, mas ela acaba de ficar ainda mais bizarra. Pelo jeito alguns lotes do tablet estão com a Asus, mas a venda dele por aqui não está muito clara.

Segundo o iG, a Asus importou alguns lotes do Nexus 7, mas não chegou a um acordo sobre o preço com o Google e por isso eles estão simplesmente parados. É isso mesmo: eles estão no Brasil, mas não estão à venda e nem sabemos se um dia serão vendidos.

O Nexus 7 chegou a ser anunciado pela Asus por R$ 1.299. Ele ficou disponível por esse preço em lojas online, mas por pouco tempo. E foi isso. Nada mais sobre ele. Recentemente, Marcel Campos, gerente de produtos da Asus, disse que “foi só um ensaio e, como tanto a demanda quanto as reclamações sobre o preço foram muito grandes, a empresa conversa com o Google para saber quando e como trará o tablet para o Brasil.”

Na semana passada, durante o lançamento do Nexus 4, o vice-presidente do Android, Hugo Barra, chamou o smartphone de “o primeiro Nexus no Brasil”. E o Nexus 7? Barra disse que Asus e Google não conseguiram chegar a um modelo econômico que fizesse sentido no Brasil, e, por isso, seu lançamento não faria sentido por enquanto.

Não faria nem um pouco de sentido. Não só por ser um aparelho de US$ 200 sendo vendido por R$ 1.300. Por este preço, é possível conseguir um iPad 2 ou 3, ou até um 4 com sorte. Mas tem muito mais do que isso.

O que torna o Nexus 7 atrativo é exatamente o seu preço baixo. Nos Estados Unidos, o Google subsidia o aparelho e lucra com a venda de conteúdo. Por aqui isso é bem mais difícil. Mesmo um app de R$ 2 costuma ser pirateado – tem gente que não quer pagar de jeito nenhum por conteúdo. Isso sem contar que a Play Store tem conteúdo bem limitado no Brasil: ela não oferece seriados e música, por exemplo. Assim, fica difícil o Google compensar o que deixa de ganhar ao manter o preço do tablet lá embaixo com o lucro que terá vendendo apps, músicas, filmes e livros para o Nexus 7.

Portanto a situação do Nexus 7 é essa: o estoque dele existe, mas o impasse sobre qual seria o preço cobrado pelo tablet faz com que seu futuro por aqui seja incerto. Um palpite? Não veremos ele nas lojas.Vamos ter que esperar pelo próximo e torcer para que Google e o futuro parceiro encontrem um modelo viável para nós. [iG]