O Nintendo Switch parece ter um estilo gráfico completamente sem sal se comparado com os consoles da Sony e Microsoft. Mas a pergunta é: isso importa? Provavelmente não.

• Jogar Nintendo Switch parece uma experiência nova e clássica ao mesmo tempo
• Nintendo Switch: tudo o que você precisa saber sobre o novo console

Reportagens estão sugerindo que o Switch mal consegue reproduzir gráficos em 1080p numa TV e a Nintendo já confirmou que pelo menos um jogo não irá suportar essa resolução. Enquanto isso, a Sony e a Microsoft estão tão interessadas em agradar os consumidores que exigem um visual espetacular que lançaram novas versões de seus consoles, só para entrar na onda do 4K HDR.

A Nintendo ignorar essa sopa de letrinhas parece estúpido de primeira, mas geralmente temos essa ideia porque estamos habituados a guerra de especificações dos consoles – e a companhia não quer entrar nessa.

É uma filosofia que a Nintendo tem aperfeiçoado desde o lançamento do Wii original e que começou depois do fracasso com o GameCube. O GameCube era uma máquina poderosa dentro uma caixinha e que competia diretamente com o PS2 e o primeiro Xbox. Manter uma evolução de especificações acelerada trouxe muitos custos, e a Nintendo sequer “ganhou” a briga. Em vez disso, os consoles da companhia sempre apareceram nas segundas ou terceiras colocações de vendas.

Com o Wii, a Nintendo tentou uma estratégia diferente: se apoiou em suas propriedades e títulos consagrados, como Mario e Zelda, e nos periféricos modernos, como o Wii Remote. Eles ignoraram completamente as “especificações” que deixavam os consumidores eufóricos. Eles nunca falavam sobre quantos pixels o console conseguia atingir, e ignoraram todas as críticas quando ficou claro que o Wii reproduzia só 480p.

De algum modo, a adesão estrita ao 480p parecia reforçar a imagem populista do Wii. Os consoles da Sony e Microsoft eram voltados para gamers hardcore que estavam procurando por resolução 1080p, saída HDMI e gráficos ultra realistas. O Wii era para pessoas que sequer sabiam o que essas palavras significavam.

E estamos vendo a empresa utilizar essa mesma estratégia com o Nintendo Switch. Esse é um console para a massa, não para os gamers obcecados por especificações. Em dezembro, a Eurogamer apontou que o Switch só conseguia rodar jogos a 1080p na TV e a 720p em seu tablet. Essa é a mesma resolução que você pode esperar de um smartphone ou de um PS4 ou Xbox One lançados há três anos.

É uma resolução perfeitamente adequada em muitos aspectos. A maioria das casas por aí possuem televisores com a resolução máxima de 1080p. A menos que você esteja comprando uma TV nova, 1080p é tudo o que você precisa.

E esse provavelmente é o motivo pelo qual a Nintendo está adotando a resolução “boa o suficiente” para o jogo mais aguardado do Switch: The Legend of Zelda: Breath of the Wild. Em um comunicado liberado para o IGN, a empresa revelou que o jogo irá rodar a 900p e 30 quadros por segundo (fps).

30 quadros por segundo é uma especificação comum nos consoles. É a taxa de quadros aproximada da maioria dos filmes. Gamers de PC, que preferem taxas maiores e o movimento mais realista dos personagens que isso traz, ficariam em choque ao jogar um game renderizado a apenas 30 quadros por segundo. No entanto, um consumidor acostumado com consoles talvez nem saiba o que está perdendo. E isso é culpa das próprias TVs. Foi há pouco tempo que os televisores mais baratos começaram a reproduzir conteúdos a taxas maiores, como 60fps ou 120fps.

900p também é uma especificação bem comum – desde 2013. Ela fica entre os 720p e 1080p, e para a maioria das pessoas não existe uma diferença visual facilmente perceptível entre 720p, 900p e 1080p. É comum que alguns jogos no Xbox One e PS4 rodem nessa resolução. Na verdade, alguns dos maiores títulos, como Sunset Overdrive, Assassin’s Creed e Battlefield, não conseguem ir além dos 900p.

O que tudo isso significa? Que 900p e 30fps são especificações populares. E está perfeitamente de acordo com a estratégia da Nintendo de ignorar as últimas tendências das TVs (como o 4K e HDR) para se concentrar em sua própria tendência.

E com o design do Switch, esses detalhes não chegam a ser grande coisa. Os componentes principais do console, supostamente baseados no processador Nvidia Tegra, estão localizados no tablet do Switch. Esse tablet, segundo a Eurogamer, tem um display 720p. O console da Nintendo só precisa lidar com resoluções maiores quando estiver plugado na TV, e ele faz isso por meio do dock.

Se a Nintendo quiser, poderia lançar um dock daqui a algum tempo, com um processador melhor que seja capaz de enviar uma resolução maior para a TV. Como vimos com o lançamento do PS4 Pro e Xbox One S, gamers fanáticos estão dispostos a gastar uma grana para fazer o upgrade – mesmo poucos anos depois de ter comprado o console da nova geração.

Então, possivelmente, o Switch poderia ter gráficos melhores quando os consumidores começaram a comprar TVs 4K. E mesmo se a Nintendo opte por ignorar completamente o 4K, não tem problema. O Wii conseguiu ser um console de grande sucesso por oferecer aquela experiência bacana.

Na real, se o Nintendo Switch consegue animar pessoas a ordenhar uma vaca virtualmente, todas essas especificações de resolução e taxas de quadro por segundo não importam muito.