A Nokia acredita muito, mas muito mesmo no sucesso do Windows Phone. Victor Saejis, chefão da divisão europeia da Nokia, disse ao jornal sueco Dagens Industri que a empresa não tem plano B. “O plano B é o plano A ser um sucesso”, disse. Enquanto isso, para enfrentar os concorrentes, a empresa decidiu acabar com a produção de hardware na Europa e no México. Agora o trabalho é feito apenas na Ásia e aqui no Brasil, em Manaus.

Nós já sabíamos que a Nokia acreditava muito no Windows Phone, mas é forte saber que a empresa aposta toda sua recuperação no sistema, que ainda tem dificuldades de fazer sucesso — nosso palpite é que as fabricantes acham muito caro o preço pago por aparelho à Microsoft. Saejis ainda adicionou que “é como começar tudo de novo” e que “é preciso ter sucesso nos EUA se quisermos ter sucesso no mundo todo”.

E como enfrentar Apple e Samsung, que continuam crescendo — e muito — no mercado de smartphones e celulares? Após fechar recentemente sua fábrica na Romênia, a Nokia anunciou hoje que irá parar a produção de hardware em suas fábricas na Europa e no México — todas elas continuarão trabalhando em produção de software, mas 4 mil funcionários já foram demitidos. A única sobrevivente no corte foi a fábrica brasileira, em Manaus, onde a Nokia está produzindo o Lumia 710.

E onde será feita a produção? Perto dos concorrentes — e no lugar mais barato do mundo, claro. A montagem de hardware será focada apenas na unidade da China — mesma terra da Foxconn, que produz aparelhos para a Apple — e na Coreia do Sul — terra natal da Samsung. A dificuldade em produzir hardware a preços ínfimos já foi apontado como um dos problemas recentes da Nokia. Veremos se a mudança será transformada em lucros para a empresa. Tudo depende do sucesso do Windows Phone, pelo visto. [Dagens Industri, Engadget e Engadget; foto via ZTOP]