Novas evidências vindas da África do Sul reforçam a ideia de que um grande asteroide ou cometa atingiu a Terra durante o Pleistoceno – um evento que possivelmente desencadeou a extinção de muitos animais grandes, ao mesmo tempo em que também perturbou as populações humanas em escala global.

Juntamente com locais na América do Norte e do Sul, Groenlândia, Europa Ocidental e Oriente Médio, podemos adicionar a África Austral à lista de regiões onde os cientistas descobriram evidências de um evento calamitoso que aconteceu há 12.800 anos.

Uma nova pesquisa publicada esta semana na revista Palaeontologia Africana descreve a presença de platina excessiva em material sedimentar extraído de um local na África do Sul que remonta a esse período.

De acordo com a equipe de pesquisa, liderada por Francis Thackeray do Instituto de Estados Evolucionários da Universidade de Witwatersrand, na África do Sul, os meteoritos estão repletos de platina, e um impacto com um objecto suficientemente grande e desintegrante teria espalhado o material pelo globo.

Essa evidência de um aumento de platina com 12.800 anos de idade na África é inédita no continente, e é mais uma evidência que apoia a Hipótese de Impacto Younger Dryas. De acordo com essa teoria, um cometa ou asteroide atingiu a Terra durante o Pleistoceno, desencadeando um forte inverno que fez as temperaturas caírem ao redor do globo. A perda associada da vida vegetal levou à extinção de muitas espécies animais de grande porte, juntamente com possíveis perturbações para as populações humanas em todo o mundo.

Thackeray, junto com os co-autores Philip Pieterse, da Universidade de Joanesburgo, e Louis Scott, da Universidade de Free State, descobriram o aumento de platina em antigos depósitos de turfa no sítio Wonderkrater, na província do Limpopo, na África do Sul.

Locais onde picos de platina de aproximadamente 12.800 anos de idade foram registados na Terra. Imagem: Francis Thackeray/Universidade de Wits

“Nossa descoberta apoia pelo menos parcialmente a controversa Hipótese de Impacto Younger Dryas”, explicou Thackeray em um comunicado à imprensa. “Precisamos seriamente explorar a visão de que um impacto de um asteroide em algum lugar da Terra pode ter causado mudanças climáticas em escala global, e contribuiu em certa medida para o processo de extinção de grandes animais no final do Pleistoceno, após a última era glacial”.

De fato, a era do suposto impacto coincide com o desaparecimento de muitas espécies animais ao redor do planeta. A África não foi exceção, pois o período de Young Dryas (12.800 a 11.500 anos atrás) foi quando várias espécies, incluindo búfalos gigantes, zebras e gnus, foram extintas.

Ao mesmo tempo, há evidências desse período de que as populações humanas também podem ter sofrido. O povo de Clóvis da América do Norte, por exemplo, passou subitamente a produzir menos ferramentas de pedra durante esse período, e uma queda semelhante na produção de ferramentas de pedra foi documentada nos povos de Robberg da África Austral.

“Não podemos ter certeza, mas um impacto cósmico pode ter afetado os seres humanos como resultado de mudanças locais no meio ambiente e na disponibilidade de recursos alimentares, associados a mudanças climáticas repentinas”, disse Thackeray.

O novo artigo também descreve a descoberta de pólen antigo em Wonderkrater, que também remonta ao período de Young Dryas. A análise química deste pólen fossilizado aponta para declínios de temperatura, que coincidem perfeitamente com um período de resfriamento semelhante no Hemisfério Norte.

Allen West, um geólogo americano aposentado que estuda a Hipótese de Impacto Younger Dryas, disse que o novo artigo é importante “porque sugere que o evento de impacto de Younger Dryas teve efeitos globais”.

Anteriormente, os cientistas “sabiam que isso afetou quase todo o Hemisfério Norte, mas não o Sul”, escreveu ele ao Gizmodo. “Então, recentemente, outro estudo foi publicado mostrando um pico de platina em Pilauco, no Chile, indicando que a América do Sul foi afetada. Agora, sabemos que a África Austral também foi afetada, a quase oito mil quilômetros de distância do local semelhante mais próximo na Síria, o que o torna um evento global”.

É importante ressaltar que a Hipótese de Impacto Younger Dryas, é uma ideia altamente controversa, dada a falta de evidência. Os críticos têm dito que “uma discrepância de idade” existe “entre diferentes locais onde os marcadores de impacto propostos foram encontrados, e que muitas das evidências, tais como microsferas magnéticas, nanodiamantes, quartzo de impacto, e outros minerais, são ambíguos na natureza e abertos à interpretação”. Não ajuda o fato de que uma cratera de impacto associada não tenha sido ligada ao suposto evento.

Dito isto, uma descoberta fascinante de 2018 revelou a presença de uma cratera de impacto escondida sob a Hiawatha Glacier na Groenlândia. Essa cratera mede cerca de 31 quilômetros de diâmetro e atingiu a Terra em algum momento entre 3 e 12 mil anos atrás. Esta poderia muito bem ser a cratera de impacto de Young Dryas, porém mais evidências são necessárias.

Quando o Gizmodo cobriu a descoberta desta cratera no ano passado, pedimos a Nicolaj Larsen, um geólogo da Universidade de Aarhus que contribuiu para a descoberta, explicar a discrepância de datação bastante considerável:

É verdade que a cratera não está bem datada, mas há boas evidências de que ela seja geologicamente jovem, ou seja, formou-se nos últimos 2 a 3 milhões de anos, e provavelmente é tão jovem quanto a última Era Glacial [que terminou há cerca de 12.000 anos]. Atualmente, estamos tentando encontrar ideias sobre como datar o impacto. Uma dessas ideias é perfurar o gelo e obter amostras de rochas que podem ser usadas para datação numérica.

Saber a data com mais precisa seria útil no que diz respeito à Hipótese de Impacto Younger Dryas. Thackeray já está de olho nessa cratera, dizendo que “poderia ter sido o mesmo lugar onde um grande meteorito atingiu o planeta Terra há 12.800 anos”, e que um meteorito deste tamanho teria certamente resultado em “consequências globais”.

Então, ainda não há confirmação certa de que a Terra foi atingida naquela época, mas essa possibilidade continua a intrigar pesquisadores.