Nessa época marcada por upgrades e aparelhos novos a cada trimestre, é bem provável que uma hora ou outra você terá que se desfazer de algum dispositivo antigo de vez em quando, seja para dar espaço para algo melhor ou então para financiar uma compra nova. Existe uma gama de opções de como você pode fazer isso, mas, independentemente de você for para a OLX ou para o Mercado Livre, os cinco pontos abaixo são coisas que você quer ter em mente na hora de vender seus aparelhos usados.

A maioria deles se aplica a notebooks e smartphones, mas podem também valer mais amplamente para outros tipos de tecnologia. Seja lá o que você estiver vendendo, vale a pena passar por essa lista para garantir que está tudo em ordem.

1) Tire várias fotos

Captura de tela: Gizmodo

É claro que ter umas fotos claras e bem iluminadas é importante para vender seu dispositivo online. Porém, se você tem um aparelho popular em mãos, ele já vai atrair um preço decente de qualquer forma — como um iPhone ou um monitor de atividade física Fitbit, por exemplo —, talvez você fique tentado a tirar apenas uma ou duas fotos, ou até mesmo a usar figuras de bancos de imagens para poupar tempo. Resista a essa tentação de ser preguiçoso!

As fotos não só mostram aos potenciais compradores no que eles estão se metendo, como também agem como uma garantia para você mesmo: elas mostram as condições do gadget antes de você passá-lo para outra pessoa, incluindo quaisquer marcas ou arranhões. Certifique-se de que suas fotos estejam pegando todos os ângulos e, em especial, qualquer dano notável.

Alguns compradores desonestos por aí vão tentar trocar o dispositivo que você lhes enviou por uma versão parecida, mas danificada, do mesmo aparelho, vão pedir um reembolso e ficar com o gadget que você enviou. Se você não tiver provas fotográficas do que vendeu, esse golpe fica mais fácil de se aplicar.

Pela mesma razão, anote os números de série e os fotografe, mas não os inclua na listagem. Isso te dá uma proteção a mais caso alguém tente ficar com seu dispositivo e retornar uma imitação danificada.

2) Faça backup de tudo de que você precisa

Captura de tela: Gizmodo

Fazer backup é um saco, mas não tão frustrante quanto perder arquivos importantes de que você depende ou fotos de família das suas últimas férias. Com velocidades de banda larga e rede móvel cada vez melhores, e um acesso cada vez maior a serviços na nuvem, fazer backup está mais fácil do que nunca — e, sério, você não tem desculpa alguma para não fazê-lo.

É fácil lembrar das coisas mais importantes, como fotos ou aquela planilha em que está todo o seu planejamento financeiro, mas não se esqueça das coisas pequenas também: suas conversas por SMS, as imagens que você publicou em redes sociais, os downloads que você fez pelo seu navegador e qualquer coisa que ainda não esteja na nuvem.

Se tiver tempo, é uma boa ideia navegar pelos seus apps, um a um, e garantir que todos os dados dentro deles estejam seguramente armazenados em um outro lugar, seja um dispositivo diferente ou na web. Seus jogos salvos estão devidamente guardados em algum lugar? Já viu se o episódio de podcast que você estava ouvindo não terá o progresso apagado?

Mesmo que você pense que está tranquilo com serviços como Dropbox, iCloud, Google Drive e por aí vai, vale a pena checar novamente que foi feita uma sincronização final antes de resetar seus dispositivos e passá-los para a frente — verifique se os arquivos de que você precisa foram copiados para a nuvem e para seus outros aparelhos.

3) Faça logout de todos seus softwares e dispositivos

Captura de tela: Gizmodo

No meio do esforço de garantir que todos seus dados, documentos e informações estão seguramente armazenados em outros lugares, é fácil esquecer de apps e programas que talvez você tenha instalados em seus gadgets que serão colocados à venda, sejam eles jogos no seu PlayStation 4 ou os editores de foto em seu MacBook Pro.

Graças à mágica da nuvem e de vários logins de Microsoft, Apple e Google que carregamos por aí hoje em dia, reinstalar apps e programas é mais tranquilo do que costumava ser, mas não é algo que dá para ignorar. Você ainda tem a mídia física necessária ou os códigos de download de que precisará? Você lembra de onde você pegou todos seus softwares?

Também é importante fazer logout de todos os programas e contas na web quando possível, tanto do ponto de vista logístico quanto de segurança. Aplicativos como iTunes e Photoshop limitam o número de dispositivos que você pode autorizar, e fazer logout de suas contas em Facebook, Netflix e outros significa que você não estará deixando uma trilha digital para trás.

Na maioria dos casos, você pode fazer esses logouts e desautorização depois de vender os dispositivos, mas não se esqueça de fazer! Como ressalta a Apple, você também precisa cancelar o registro dos dispositivos da empresa do serviço de Buscar iPhone.

4) Limpe seus gadgets apropriadamente

Foto: Patrick Lucas Austin/Gizmodo

Assim como fazer backup de seus dados, limpar seus dispositivos pode parecer um saco, uma tarefa que você adoraria não ter que enfrentar, especialmente se você está vendendo um item de  bastante valor que vai atrair um bom preço de qualquer forma. No entanto, uma limpeza boa dos seus aparelhos é parte essencial do processo de venda, e você não vai querer pular essa etapa.

Em primeiro lugar, isso pode fazer uma grande diferença no preço que seu gadget irá atrair e no tamanho do interesse nele — potenciais compradores colocam bastante importância nas condições físicas do que eles estão comprando. Sujeira e poeira podem fazer seu dispositivo parecer mais velho ou menos potente do que ele é, e você não quer isso.

Limpar seus aparelhos também significa que você pode identificar marcas ou arranhões que talvez você não tenha visto antes, acrescentando-os à listagem que você está fazendo. Quaisquer defeitos assim devem ser declarados logo de cara, mesmo que isso afete o preço final do seu artigo — isso poupa dor de cabeça lá na frente, não vale a pena tentar enganar o comprador.

Você não precisa dedicar uma tarde inteira ou um balde cheio de produtos para fazer a limpeza: 15 minutinhos e um pano úmido geralmente são o suficiente, embora cotonetes e uma lata de ar comprimido também sejam úteis. Só tenha certeza de que o aparelho é à prova d’água.

5) Certifique-se de que apagou tudinho

Captura de tela: Gizmodo

Você não vai querer que o novo dono do seu smartphone ou notebook saia xeretando as fotos das suas últimas férias ou que ele entre em sua conta do Twitter e saia postando aqueles rascunhos de tuítes horrorosos que você pensou um dia em publicar e, por algum motivo, esqueceu no arquivo. Nossos dispositivos carregam muitos dados, e é importante apagá-los apropriadamente.

A boa notícia é que isso não é difícil e nem leva muito tempo — certamente, está muito mais fácil do que costumava ser, já que os fabricantes e os desenvolvedores de software se tocaram que, sim, nós vamos passar para a frente nossos aparelhos no futuro. Um reset de fábrica completo do seu dispositivo deve ser suficiente para limpá-lo.

A ascensão do armazenamento em flash (comum em SSDs) tornou também mais difícil a restauração de arquivos excluídos, e com muitos dos nossos dados agora armazenados na nuvem, vai ser um baita trabalho chegar nos seus documentos e informações — presumindo que você faça um reset de fábrica antes de colocar seu telefone ou notebook à venda.

Mas também não precisa ser desleixado — ainda mais se você estiver vendendo um dispositivo com um disco rígido mais antigo, mecânico, dentro dele, em que um software de restauração de arquivos ainda pode ser bastante eficaz. Nesse caso, considere remover o drive e destruí-lo, ou pelo menos executar uma ferramenta de apagar segura, como o Heidi.