Todo fotógrafo diz que um bom trabalho depende mais do fotógrafo que do equipamento. Mesmo assim, é interessante ver o que Stephen Farrell, correspondente fotográfico para o New York Times, escolheu levar (ou não levar) para documentar a revolução egípcia na praça Tahrir. Principalmente porque o ambiente estava especialmente hostil para jornalistas.

O principal equipamento dele:

– Uma sacola de lixo preta para esconder a bolsa da câmera

– Câmera de vídeo portátil Sanyo Xacti

– Câmera de vídeo JVC GY-HM100U – porque é fácil de usar e de desmontar

– Câmera digital compacta Panasonic LX-3

Foi desconsiderado qualquer equipamento que berrasse “sou um jornalista!”, como microfone grande que se acopla à câmera, tripés ou luz para câmera, que foram substituídos por uma lâmpada frontal (usada em uma tira na cabeça) e minitripés Octopod. Não dava pra ficar sem “três ou quatro celulares”, segundo Farrell, por causa de roubos; telefones por satélite, por causa da Idade da Pedra induzida no Egito; e muito meio de armazenamento e backup.

Considere que isso é muito equipamento, e pense em quanto equipamento será necessário para fazer o mesmo trabalho em alguns anos. Celulares vão filmar em 1080p este ano. Não vai ser ótimo, mas vai existir. E ano que vem serão melhores. E sistemas de câmeras mirrorless, como a Panasonic GF1 e a Sony NEX, podem ser o futuro de câmeras híbridas. Vai ser interessante ver o que será indispensável daqui a pouco tempo. [Lens/New York Times]

Foto: Stephen Farrell/NYT