Em 15 de setembro de 2017, a sonda Cassini encerrou sua corajosa missão de 13 anos de duração executando um mergulho kamikaze na atmosfera de Saturno. Agora, uma nova imagem da NASA mostra o local exato da queda da sonda espacial.

• RIP Cassini: uma retrospectiva das fotos mais impressionantes de Saturno tiradas pela sonda
• Cassini: algumas últimas palavras sobre a melhor sonda de nossas vidas
• A sonda Cassini olhou para o abismo polar de Saturno, e ele é assustador

Algo particularmente legal sobre essa imagem é que a Cassini a registrou apenas algumas horas antes de mergulhar no planeta anelado (o local de queda é indicado pelo círculo oval branco na imagem). A espaçonave estava a cerca de 634 mil km de Saturno no momento do registro, e a fotografia mostra o lado noturno do planeta. Caso a cena lhe pareça iluminada, é porque ela estava: o extensivo sistema de anéis de Saturno reflete a luz do Sol no lado noturno do planeta. Entretanto, até a sonda chegar na atmosfera dele, essa área em particular já havia rotacionado para a luz do Sol.

A Cassini capturou imagens usando filtros da cor vermelha, verde e azul, permitindo a NASA mostrar a cena em cores próximas da realidade. A fotografia é muito representativa das matizes e tons encontrados na atmosfera turbulenta do planeta.

Os anéis de Saturno iluminarem o lado noturno do planeta não é algo surpreendente, especialmente quando se leva em consideração quão grossos e largos eles são. Gostamos de imaginá-los como um avião celestial na órbita do planeta, mas há um sério conteúdo presente neles. Os anéis são formados de poeira e pedras, mas também contém gelo, tornando-os brilhantes e altamente reflexivos.

As bordas dos anéis de Saturno

Uma incrível imagem registrada pela sonda Cassini em 2010 mostrou um trecho de mais de 1.200 km que se estendia pela borda exterior do anel B. As torres verticais, que quase se pareciam com montanhas e lançavam uma impressionante sombra nos anéis internos, se estendia por aproximadamente 2,5 km sobre a área dos anéis. A espessura normal dele é de cerca de 10 metros. Algumas areias dos anéis chegam a atingir até 1 km de espessura. Part~iculas de gelo costumam se aglomerar, formando porções “sólidas” dos anéis. Além disso, sabe-se que eles podem afetar o clima do planeta.

[NASANASA CassiniNASA Science]

Todas as imagens: NASA/JPL-Caltech/Space Science Institute