O OpenStreetMap é uma alternativa às outras ferramentas de mapeamento na internet. Os mapas open-source são muito práticos e detalhados, mas só agora o site ganhou um recurso básico: instruções curva a curva.

>>> Por que o mundo precisa do OpenStreetMap

A navegação curva a curva já estava disponível em apps de terceiros, como o OsmAnd para Android – mas enfim isso chegou à página web oficial.

O site fornece direções para viagens de bicicleta, de carro e a pé. A ideia é que o OpenStreetMap se torne um destino mais popular e, dessa forma, aumente a comunidade que edita e melhora os mapas. Do blog oficial:

… o OSM oferece direções que na verdade vêm de sistemas de terceiros: eles são incluídos no site principal através de um código esperto em JavaScript… Isso é grande porque vai fazer diferença nos dados do OpenStreetMap, criando um ciclo virtuoso de feedback.

Qualquer um pode editar os mapas: se está faltando uma rua, você pode inseri-la; se está faltando uma loja, ela pode ser adicionada pelo dono ou por um cliente.

Sim, esta é uma mudança incremental para o serviço, mas pode ser o ponto de virada em que um serviço open-source útil pode finalmente disputar com os grandes, como Google e Apple.

O OpenStreetMap foi lançado em 2004 por Steve Coast, inspirado pelo sucesso da Wikipédia. A ferramenta aberta e colaborativa tem a visão de que nenhuma empresa deveria deter o monopólio dos mapas.

Com a ajuda da comunidade nesses últimos anos, o OSM ficou ainda mais completo e detalhado – veja aqui o antes e depois. Para editar um mapa direto no navegador, é só clicar no botão “Editar” e fazer login.

Hoje, os mapas são usados pelo Foursquare, pelo app Moovit (informações do transporte público), pelo site de classificados Craigslist, e pela própria Wikipédia. E se ele conseguir se tornar mais conhecido, tanto melhor. [OpenStreetMap Blog]