Wall of Sound (Grátis): Expanda seus horizontes musicais usando mais este app de descoberta de músicas. Ele é extremamente simples: ao ser aberto, mostra um mosaico com músicas. Esse mosaico inclui não apenas as que você tem no seu iPad, mas também outras relacionadas, que você pode conhecer através de prévias do iTunes no próprio app. Obviamente, pode comprá-las também. Quando cansar do mosaico gerado, pode gerar outro balançando o iPad, ou filtrar por gêneros específicos. Ótimo para passar o tempo ouvindo coisas novas – especialmente na Apple TV, já que o app funciona com AirPlay.

 

SoundCloud (Grátis): O SoundCloud é um dos melhores sites de armazenamento de sons que existem, e o aplicativo oficial para iPad faz jus a esta fama. Você poderá gravar sons e, na mesma hora, fazer upload e jogar as suas criações no Facebook com o player especial do SoundCloud. É possível também seguir os seus usuários favoritos do serviço e ouvir as coisas deles. Eu já usava o SoundCloud para publicar as músicas que eu faço com o app do GarageBand, então essa é a única coisa de que eu realmente senti falta: se fosse possível fazer upload de uma música diretamente do GarageBand para o SoundCloud, este app seria matador.

 

TomTom Brasil (US$ 50): Dá para se virar usando apenas o aplicativo Maps que já vem no iOS, mas convenhamos que ele é bem pouco prático. Com este aplicativo você transforma o seu iAparelho em um GPS autêntico, com mapas offline (perfeito para os donos de iPod Touch ou iPad Wi-Fi), interface em português, atualizações diárias, pontos de interesse e navegação curva a curva anunciada por voz.

 

7 Billion (Grátis): Já chegamos ao incrível número de 7 bilhões de habitantes no planeta Terra. Coincidindo com isso, a revista National Geographic preparou um app com diversas matérias interessantes sobre a nossa condição de humanos em um mundo com cada vez mais de nós ocupando espaço. Apesar de grátis, o aplicativo é comparável a uma revista Wired (inclusive usa o mesmo sistema de navegação), com boa tipografia e diagramação, elementos interativos, vídeos e inclusive uma matéria inteira sobre como a taxa de natalidade no Brasil diminuiu graças à quantidade de mulheres que resolveu “fechar a fábrica” cada vez mais cedo, parcialmente inspiradas pelas fortes e independentes personagens das nossas… novelas. Vale a lida para quem entende inglês.

 

Mega Photo Booth (Grátis): Não sou de prometer coisas, mas você prometer que você vai sorrir alguns segundos depois de abrir esse app pela primeira vez. O que eu não posso prometer é que você vá abrir ele muito mais do que uma vez, já que as suas brincadeiras com a sua cara, apesar de criativas e interativas, acabam rápido. Há vários tipo de fotos que você pode tirar e salvar (a versão paga, que custa US$ 2, remove o logo do canto direito e libera mais meia dúzia de efeitos), mas a graça acaba assim que você cansa do seu próprio nariz.

 

GarageBand (US$ 5): Se você ainda não tem o GarageBand, provavelmente é porque não tem um iPad. Sua desculpa acabou: a versão 1.1 do melhor editor musical que os seus dedos podem tocar agora é um app universal, o que significa compatibilidade com iPhones e iPods Touch. Mais do que isso, ele resolveu alguns probleminhas antigos, como a impossibilidade de configurar acordes nos instrumentos “Smart” e uma sensibilidade estranha na hora de prever com que velocidade você atinge as teclas do piano ou os tambores da bateria. Agora só falta um pouco mais de flexibilidade no que diz respeito a importação e exportação de faixas, e teremos um aplicativo perfeito para os compositores amadores como eu.