À primeira vista, a foto acima pode parecer uma colaboração de pintura entre Jackson Pollock e Mark Rothko. Foi o que pensei quando a vi e fui atraída pelas listras brilhantes em laranja cobrindo a paisagem. No entanto, a realidade é muito mais desagradável e alarmante. Isso não é arte: é uma vista aérea de uma região próxima a Oruro, na Bolívia, cheia de lixo.

As fotos a seguir foram tiradas nos últimos dias e destacam a crescente preocupação com o Lago Uru Uru, um corpo d’água de 21 quilômetros que está sendo descrito por alguns meios de comunicação como uma lata de lixo natural. Porém, não são apenas garrafas de plástico que ameaçam o lago. Ele também tem que lidar com esgoto da cidade de Oruro e resíduos de pequenas mineradoras da região.

A história do Lago Uru Uru

Crédito: Gaston Brito Miserocchi (Getty Images)

O Lago Uru Uru foi formado nos anos 1960, após o desvio do rio Desaguadero. Ele está repleto de vida selvagem, sendo lar de dezenas de espécies de pássaros, incluindo cerca de 120.000 flamingos, de acordo com a agência de notícias espanhola EFE. As plantas e os peixes do Lago Uru Uru também servem de sustento para os Urus, grupo indígena que ocupa uma região entre o Peru e a Bolívia.

O Lago Uru Uru está cheio de todos os tipos de lixo

Crédito: Gaston Brito Miserocchi (Getty Images)

Parte do lixo que assola o Lago Uru Uru inclui brinquedos velhos, sapatos, fraldas usadas, milhares de garrafas descartáveis, embalagens e restos de animais mortos. Enquanto parte desse lixo pode ser visto na superfície do lago, também há lixo sob a areia de anos anteriores, que se transformou em uma resina preta nauseante.

Um dos maiores problemas do Lago Uru Uru é o rio Tagarete, que liga o lago à cidade de Oruro. Ativistas disseram que o rio transporta plástico da cidade, onde vivem mais de meio milhão de habitantes, para o lago.

Sua água também está contaminada

Crédito: Gaston Brito Miserocchi (Getty Images)

Além do lixo, a água do lago também contém metais pesados ​​como cádmio, zinco, arsênico, chumbo e mercúrio, resultantes das atividades de mineração nas proximidades. A região abriga lítio e também uma variedade de metais preciosos. Moradores disseram que a contaminação afetou as partes do lago onde é possível pescar, impactando inclusive no tamanho dos animais.

“Se nada for feito, nós o perderemos completamente”

Crédito: Gaston Brito Miserocchi (Getty Images)

Limbert Sánchez, gerente de comunicação do Centro de Ecología y Pueblos Andinos, disse à AP que a área de água do lago vem diminuindo a cada ano na última década. “Estamos fazendo um apelo extraordinário para salvar o Lago Uru Uru porque, se nada for feito, em cinco anos, sem dúvida, o perderemos completamente”, disse Sánchez.

Autoridades nacionais dizem que a maior fonte de contaminação do lago são as garrafas plásticas

Crédito: Gaston Brito Miserocchi (Getty Images)

O prefeito de Oruro, David Choque, disse que a cidade realizará uma reunião para ações de limpeza das partes contaminadas do Lago Uru Uru e do Rio Tagarete. Choque afirmou que a cidade precisa conscientizar seus cidadãos para que parem de jogar tanto lixo.

Assine a newsletter do Gizmodo

De acordo com o governo, a maior fonte de contaminação do Rio Tagarete são as garrafas de plástico. O governo planeja realizar uma inspeção na área e financiar a construção de uma usina de reciclagem em um esforço para mitigar alguns dos danos.

Limpando o lago e a área circundante

Crédito: Gaston Brito Miserocchi (Getty Images)

Oficiais do gabinete do prefeito de Oruro preveem que serão necessárias 500 pessoas para ajudar, bem como caminhões de carga e pelo menos uma escavadeira para recolher o lixo espalhado em apenas 24 acres (0,01 quilômetro quadrado) perto do lago, de acordo com a EFE, o que é apenas uma fração dos quase 600 acres (2,4 quilômetros quadrados) que estão contaminados. Há tanto lixo, porém, que as autoridades estimam que essa pequena ação resolveria apenas o que se acumulou nos últimos oito a dez meses. E isso nem inclui o lixo dentro do lago.

Se as autoridades realizassem a limpeza, seria um bom começo, mas é claramente insuficiente. O que não foi dito em nenhum desses planos até agora é como a cidade ou os governos poderiam melhorar a coleta para que tanto lixo não acabe espalhado pela paisagem em primeiro lugar. Ações drásticas e cooperação são necessárias para limpar o Lago Uru Uru, que é fundamental para os animais que vivem lá e as pessoas que dependem dele.

Os plásticos no lago Uru Uru são parte de um problema maior

Crédito: Gaston Brito Miserocchi (Getty Images)

O estado do lago é um triste lembrete do que acontece com a natureza quando decidimos ignorar as consequências de nossas ações poluidoras. Mas, embora a poluição do plástico que obstrui o Lago Uru Uru tenha um grande impacto no meio ambiente, também há um risco real para os humanos. E esse é um risco dificilmente limitado a este canto da Bolívia.

Nesta semana, um novo e importante relatório das Nações Unidas descobriu que todos os aspectos do ciclo de vida dos plásticos afetam a saúde humana. Os impactos são particularmente graves para aqueles em grupos economicamente e socialmente desfavorecidos, incluindo mulheres, crianças, pobres, migrantes e povos indígenas, que são os mais negativamente afetados. Limpar o lago é parte de um problema muito maior, que significa encerrar a produção de plástico descartável. O mundo também terá de ajudar na limpeza de outras comunidades onde o lixo plástico foi despejado.