O Banco Central anunciou nesta quarta-feira (12) que o Pix, o sistema de transferência instantânea de dinheiro, começará a funcionar no Brasil em 16 de novembro após ter sido devidamente regulamentado pela instituição.

As informações foram dadas por João Manoel Pinheiro, diretor de organização do sistema financeiro e de resolução do BC, em live promovida pela instituição.

O governo tem falado do Pix desde o início do ano e, em resumo, é uma alternativa a TEDs e DOCs para transferências de dinheiro e pagamentos. As instituições financeiras têm trabalhado com o governo há um tempo, e pessoas interessadas poderão começar a se cadastrar para ter esta opção em outubro. Quando estiver disponível, interessados devem fornecer telefone, CPF, e-mail e conta bancária para ter uma chave cadastrada no Dict (Diretório Identificador de Contas Transacionais), sistema gerido pelo BC que registrará quem paga e quem recebe o Pix.

O processo de transferência de dinheiro será feito via instituição financeira (podendo ser banco ou alguma fintech, por exemplo) e transações entre pessoas físicas serão gratuitas. No caso de transferências para pessoas jurídicas, pode haver uma pequena taxação. Segundo o BC, empresários informais, como pipoqueiros, que receberem muitas transferências diárias poderão eventualmente serem taxados.

Segundo o Banco Central, a grande diferença do Pix para outras formas de pagamento é a maneira com que os usuários poderão enviar e receber dinheiro. Isso será possível por meio de um clique na informação da chave da pessoa presente no celular ou em um link enviado pelo recebedor ou mesmo pela leitura de um QR Code do recebedor. As pessoas envolvidas na transação serão notificadas e o dinheiro será transferido na hora.

O meio principal para as transações será o smartphone. No entanto, o Banco Central diz que outras formas serão disponibilizadas pelas instituições, seja via site da instituição financeira ou mesmo em agências e caixas eletrônicos. Para isso, é necessário saber detalhes da chave para quem você vai enviar o dinheiro.

Num segundo momento, o BC tem alguns planos para expandir os serviços. Um deles é o de sacar dinheiro via Pix em varejistas, algo que foi falado recentemente, mas que deve ficar para um segundo momento.

Além disso, a instituição citou o desenvolvimento de recursos para pagamento por aproximação, parcelamento de compras via Pix, geração offline de QR Codes para receber dinheiro e até requisição de pagamentos, como já acontece com o DDA (Débito Direto Autorizado).

Como já dissemos, o cadastro para as chaves deve começar só em outubro. Porém, você pode ver uma lista no site do BC para saber se seu banco ou instituição financeira está no Pix.