Até onde uma pessoa pode ir para conseguir respostas sobre algo complexo? Uma questão do exame de qualificação de 2014 para a Equipe de Física dos EUA continua gerando debate entre físicos, estudantes e entusiastas da ciência até hoje. Prova disso é que um youtuber alugou um helicóptero para por a questão em prática. Literalmente.

Apesar de a Associação de Professores de Física dos EUA já ter respondido a questão, parece que muita gente não concordou com a resposta. Então, o youtuber Derek Muller, do canal Veritasium, decidiu resolver o enigma de uma vez por todas.

Em seu novo vídeo, que já tem mais de 4 milhões de visualizações, Muller conversou com o autor da pergunta, o professor Paul Stanley.

A questão era basicamente esta: se pendurarmos um cabo perfeitamente flexível e de peso uniforme num helicóptero em deslocamento horizontal, qual será a forma do cabo? Era uma questão de múltipla escolha, como você vê abaixo.

Para fazer colocar a situação-problema à prova, Muller alugou um helicóptero e levantou voo. De lá de cima, o youtuber jogou a tal corda e fez tudo que a questão hipotética pede.

Confira:

Após o experimento, é possível notar que mais uma vez existem duas respostas. Entretanto, apenas uma delas está 100% correta.

A chave está em observar a interação da corda com o ar. Lembre-se: o helicóptero está voando horizontalmente em velocidade constante. A corda tem um peso diferente na parte de cima e na parte de baixo. Tudo porque ela está presa e tensionada na parte de cima; já embaixo ela está solta, apenas com um peso de 5 kg preso na ponta — e, automaticamente, mais leve.

Sendo assim, pode parecer que a B é a resposta certa, pois, teoricamente, a corda não se move na parte inferior.

Vale notar, porém, que a aeronave está em velocidade constante numa linha reta e há estabilidade no ar. Então, corda está “lutando” contra o vento durante o movimento.

Resumo da ópera: o formato da corda muda conforme o helicóptero se desloca, e daí a força de resistência do ar atua no peso. A resposta certa, portanto, é a D. E aí, acertaria de primeira ou precisaria testar a situação na prática antes de opinar?