A maior parte dos partos naturais ocorre durante a noite. Pelo menos, é o que sugere um estudo de 2018 feito por pesquisadores da Universidade de Londres, na Inglaterra. De acordo com os cientistas, 71,5% dos nascimentos espontâneos ocorrem neste período, com grande parte deles sendo registrados entre meia noite e seis horas da manhã.

Mas o que este horário tem de tão especial para o corpo humano? Macacos podem ajudar a responder essa questão. 

A maior incidência de partos durante a noite parece ser uma característica compartilhada entre diversos primatas. Pensando nisso, uma equipe internacional de pesquisadores resolveu estudar diretamente os partos de macacos-vervet (Chlorocebus pygerythrus), nativos da África. 

Eles acompanharam 24 nascimentos da espécie. Logo de cara os cientistas já registraram que a maioria das fêmeas deu a luz durante a noite. Após a constatação, os pesquisadores notaram uma relação entre o horário do parto e a menor temperatura corporal das mães. As informações foram publicadas na revista científica Biology Letters.

Está tudo relacionado: o período noturno marca o momento em que o corpo humano está inativo. Consequentemente, nossas temperaturas se mantêm mais baixas durante estas horas. As condições ambientais – no caso, a ausência de Sol – também contribuem para a queda da temperatura corporal. 

De acordo com os cientistas, as baixas temperaturas corporais durante o parto podem ajudar a proteger o feto de lesão neuronal quando o bebê não recebe oxigênio de forma adequada durante o parto. Este fenômeno é conhecido como hipóxia neonatal.

Logo, os partos durante a noite são positivos pois permitem que o corpo da mãe se adapte à situação sem muito esforço. Afinal, já será gasta muita energia durante a saída do bebê.

Vale lembrar que os nascimentos noturnos não ocorrem em todas as espécies. Na verdade, eles acontecem de acordo com o ciclo circadiano de cada animal. Ou seja, uma espécie noturna que tende a diminuir o funcionamento do organismo durante o dia é mais provável de ter bebês sob a luz do Sol. Cada um que se adapta à sua realidade, né?