Sempre achei que as mensagens de texto fossem limitadas a miseráveis 160 caracteres devido a algum arcaico padrão técnico pré-1970. Mas aparentemente é porque um alemão achou que 160 eram “perfeitamente suficientes”.

Em 1985, Friedhelm Hillebrand era um pesquisador de comunicações que trabalhava com um grupo no desenvolvimento de um padrão para envio e recebimento de mensagens de texto em celulares. Ele sentou-se em sua máquina de escrever e disparou um monte de sentenças e questões aleatórias, contou o número de caracteres que elas tinham e decidiu que 160 era o número mágico. Fiquei até meio curioso em saber como um alemão pensou em mensagens tão curtas em uma época ainda sem ROLFcópteros voando pelos céus.

Como presidente do comitê de serviços não-voz do GSM, ele teve a ideia de enviar as mensagens por meio de um canal de rádio secundário utilizado pelos celulares para informações sobre força de sinal. Isso as limitaria a 128 caracteres, mas, após alguns ajustes, eles conseguiram aumentar o limite para 160. Então ele forçou cada operadora a suportar SMS ou morrer em fogo ardente. Friedhelm Hillebrand, herói dos dias modernos. [LA Times via HardOCP]