Hoje, diversas empresas de tecnologia estão poluindo a internet com brincadeiras idiotas. Mas, em meio a isso tudo, um posicionamento bem forte e corajoso de uma empresa de internet está bem longe de ser uma piada. A OkCupid está bloqueando o acesso de usuários do Mozilla Firefox ao seu serviço com uma mensagem de encorajamento para trocarem de navegador. O motivo? O CEO da Mozilla apoia causas anti-gays, e o fundador do OKCupid, Christian Rudder, me contou que não vai tolerar isso.

“Brincadeiras de primeiro de abril são idiotas”, Rudder me disse nesta manhã. “Vamos fazer algo em que realmente acreditamos nesta semana.” Em uma entrevista dada ao Gizmodo, Rudder explicou os motivos da empresa para bloquear o Mozilla Firefox especificamente sendo que eles poderiam se opor a várias outras empresas. O motivo é bem simples. Essa é a coisa certa a fazer. Só que tudo pode ficar bem mais complicado – o OkCupid não tem um plano sobre o que fazer em seguida. Claro, não foi um bloqueio completo: eles apenas colocaram um aviso explicando o posicionamento contra o CEO da Mozilla para os usuários do Firefox. Eles continuavam conseguindo acessar, mas, antes de entrar no site, encontravam a mensagem.

Na semana passada, a Mozilla apontou Brendan Eich como seu novo CEO. Um alvoroço se seguiu quando descobriram que Eich se opõe ao casamento gay. Em 2008, ele doou US$ 1000 para a campanha de aprovação da Proposição 8, uma medida votada e aprovada na Califórnia que alterava a definição constitucional do casamento para uma união entre um homem e uma mulher – proibindo, assim, casamentos entre pessoas do mesmo sexo.

A posição de Eich contra o casamento gay incomodou os fundadores do OKCupid. Em uma série de emails trocados durante o fim de semana, eles discutiram o que poderiam fazer em relação a algo que vai contra o que a empresa defende. De acordo com Rudder, cerca de 12% do tráfego do OKCupid vem da Mozilla, o que, na estimativa de Rudder, faz da desenvolvedora do navegador algo como uma parceira de negócios.

A oposição de Eich ao casamento gay foi recebida como ofensa por muitos, mas para os fundadores do OKCupid, isso prejudica os negócios: uma década gasta no desenvolvimento de um serviço de encontros que une as pessoas. “Não é como se quiséssemos fazer declarações políticas de esquerda ou direita”, ele diz. “Casamento e a forma como as pessoas entendem o casamento é o núcleo do nosso negócio.”

O plano para bloquear o tráfego do Firefox foi elaborado em 36 horas, com os fundadores considerando as possíveis consequências e notificando os funcionários sobre o que estava para acontecer. Tudo aconteceu por acaso – dando credibilidade à afirmação de Rudder de que não é apenas uma piada besta. Brincadeiras de primeiro de abril terminam no dia 2 de abril, mas as ações do OkCupid podem ter consequências mais duradouras, especialmente considerando como tudo foi feito.

No tempo em que o OkCupid preparava a ação, a Mozilla se posicionou – divulgando um comunicado oficial afirmando que, como empresa, apoia a igualdade no casamento. Depois do OkCupid colocar a mensagem anti-Firefox no ar, a Mozilla se queixou dizendo que “o OkCupid nunca veio até nós para saber quais são as nossas intenções, nem para confirmar fatos.”

Apesar da reação da Mozilla, o OKCupid decidiu seguir adiante porque, nas palavras de Rudder, “parecia a coisa certa a fazer.” Tudo aconteceu tão rapidamente que seus fundadores não elaboraram um plano para o que fazer quando a situação se resolvesse. “Para ser honesto, não pensei que isso ganharia tanto destaque”, ele diz. “Nosso objetivo era conscientizar as pessoas. Não queremos que ele [o CEO da Mozilla, Eich] perca seu emprego nem nada assim.”

O que levanta uma questão bem importante: o que o OKCupid quer? Se você está questionando as crenças de um CEO, não é o natural querer que ele seja demitido? “Não tenho uma boa resposta para você,” diz Rudder. O OKCupid conversará com a Mozilla para encontrar uma possível solução. Rudder diz que não tem ideia do que pode ser. “Veremos o que vai acontecer.”