É uma coisa preocupante, tirar uma selfie. Em um momento, você se vê mais ou menos com aparência humana e em seguida percebe que deu tudo errado e que os estranhos na rua provavelmente têm pena de você, por causa de seus olhos mortos e cabeça esquisita. Ou você vê, no seu telefone, uma pessoa perfeitamente normal que simplesmente não se parece com você.

Os espelhos são muito mais amigáveis ​​a esse respeito: você tende a saber o que está acontecendo. Para descobrir por que com tanta frequência as selfies parecem tão estranhas – para o Giz Pergunta desta semana, contatamos vários especialistas em psicologia e fotografia digital.

Scott Klinger

Professor Associado de Fotografia, Palomar College

As selfies geralmente são tiradas com lentes grande angulares, que expandem o espaço, distorcendo a imagem para abarcar tudo. Isso funciona muito bem para paisagens, mas não tanto para rostos – você acaba ficando com um nariz ou uma testa maiores. É por isso que as selfies são geralmente tiradas com os braços estendidos o mais longe possível ou com bastões de selfie – quanto o mais próxima a câmera estiver do seu rosto, mais pronunciado será o efeito de distorção. A distância a minimiza, mas o efeito de distorção ainda existe e faz com que nossos rostos pareçam irreconhecíveis, o que pode ser perturbador.

Depois, há o fato de que as pessoas, quando estão vendo fotos de si mesmas, geralmente estão muito sintonizadas com seus defeitos. Eles olham para as coisas que não gostam, em vez de se verem como alguma outra pessoa veria.

A iluminação também é importante. A maioria dos influenciadores do Instagram tem um bom senso de iluminação intuitivo, porque eles andam constantemente com a câmera vendo como parece ficar bom. Mas há realmente uma espécie de ciência nisso. Você deve procurar luz suave e difusa. É por isso que os fotógrafos usam grandes caixas de luz – luz difusa minimiza textura e volume, e luz forte enfatiza isso. Textura e volume, no rosto, significam rugas, espinhas e poros. É por isso que quando as pessoas tiram a câmera em um dia ensolarado na praia, os resultados costumam ser um desastre – você tem luz direta e uma lente grande angular e tudo o que você consegue ver é uma verruga no seu rosto.

“As pessoas, quando estão vendo fotos de si mesmas, geralmente estão muito sintonizadas com seus defeitos. Eles olham para as coisas que não gostam, em vez de se verem como alguma outra pessoa veria”.

Rachel Fein-Smolinski

Palestrante de Fotografia na Escola de Arte + Design em Illinois

Uma selfie é uma fantasia da sua imagem espectral aos olhos de outra pessoa. Basicamente, suas selfies podem parecer estranhas, porque quando você está olhando para uma selfie, não está apenas olhando para você mesmo, você está olhando para você mesmo enquanto olha para você mesmo. Isso pode ser um pouco inquietante, porque essa selfie dá acesso à nossa cópia. Ela permite que você veja uma versão de si mesmo que geralmente é reservada para outras pessoas, o eu “real” re-invertido.

A compulsão de se ver da maneira que as outras pessoas vêem é a definição da vaidade. Fatores sociais informam como as imagens se parecem tanto quanto as limitações dos aparelhos tecnológicos que as produzem. Ninguém quer ser pego tirando uma selfie. É vaidoso e a vaidade é vergonhosa. O desprezo social pela vaidade empurra a captação da selfie para a esfera do prazer culpado (uma frase suave para tabu), o que a torna, por sua vez, mais desejável. Assim, a noção de tabu faz com que olhar para as selfies pareça “estranho”, na medida em que faz com que olhar para as imagens pareça algo proibido. Dessa forma, as selfies se tornam grandes compulsões. Pessoalmente, tenho 7.937 selfies no meu iCloud que são efetivamente inúteis, mas esse espaço é insignificante, pois o sensor frontal do meu iPhone 6s produz um arquivo de apenas 1 MB. Portanto, meu colossal arquivo de afirmações de existência equivale a apenas 8 GB de dados.

A comunidade fotográfica geralmente se envolve em uma conversa dicotomizante sobre o que distingue uma selfie de um autorretrato. Eu ouvi pessoas falarem poeticamente sobre a intenção e como se isso pertence ao mundo da arte e se pertence ao mundo real. Não acho essa discussão particularmente produtiva. Uma selfie é um subconjunto do autorretrato em que o sujeito segura fisicamente a câmera na mão enquanto o obturador é pressionado. Isso significa que o que quer que termine na foto é limitado pelo comprimento do membro em que a pessoa está segurando a câmera (geralmente a mão, às vezes os pés, se forem flexíveis o suficiente).

Estou falando mais de psicologia e influência social do que a aspectos tecnológicos reais da câmera do telefone porque a percepção visual é enormemente informada pela imaginação, e a imaginação é uma amálgama de fatores físico-psicossociais. Acho que a resposta mais interessante para essa pergunta não é sobre a distorção da lente grande angular da câmera frontal ou o espaço de cores em que sua tela reproduz os dados de pixel ou a reversão de imagem que algumas empresas constroem em seu software , mas como as selfies funcionam na sua vida.

“Suas selfies podem parecer estranhas, porque quando você está olhando para uma selfie, não está apenas olhando para você mesmo, mas também para você olhando para você mesmo”.

Liz Cohen

Artista e Professora Associada de Arte da Universidade Estadual do Arizona

Há muita pressão com as selfies, supondo que estamos falando de algo tirado com um smartphone com a intenção de ser compartilhado nas mídias sociais.

As mídias sociais são tão aspiracionais, de certa forma, e mesmo quando são negativas, são positivas, em termos de projetar algo sobre si mesmo que é desejável – mesmo que seja repulsivo, é  um repulsivo-desejável. Eu acho que a pressão dificulta a satisfação. Continuamos tirando cada vez mais delas porque queremos melhorar. Elas são tão aspiracionais que nunca podemos alcançar um patamar ótimo, por isso temos que continuar a tirar mais fotos. Enquanto isso, as convenções continuam mudando, e os filtros e ferramentas continuam melhorando ou simplesmente ficando mais complicados.

Acho que nosso isolamento atual apenas intensificou essa pressão – a mídia social é a maneira como nos vemos. Eu acho que as pessoas estão se engajando mais ou ficando totalmente de fora. Quanto mais isolados estamos, mais ela se torna a nossa única forma de estar no mundo, gerando mais pressão. Queremos parecer melhor, nos tornar melhores, ser mais desejáveis, promovendo a nós mesmos como seres humanos, promovendo a nós mesmos como entidades de negócios, fazendo com que mais pessoas nos amem, etc.

Dito isto, quanto mais estranho, melhor, eu diria, porque há muitas convenções para selfies agora – sabemos que devemos inclinar a cabeça de uma certa maneira, segurar a câmera em um determinado ângulo para ter uma boa aparência, e também temos o FaceTune e todas essas outras coisas. Então eu acho que quando elas ficam estranhas, na verdade, talvez sejam um pouco mais autênticas.

“Quanto mais isolados estamos, mais ela se torna a nossa única forma de estar no mundo, gerando mais pressão. Queremos parecer melhor, nos tornar melhores, ser mais desejáveis, promovendo a nós mesmos como seres humanos, promovendo a nós mesmos como entidades de negócios, fazendo com que mais pessoas nos amem, etc”.

Chris Barry

Professor de psicologia da Universidade Estadual de Washington

Ao contrário das fotos mais tradicionais, as selfies geralmente envolvem ângulos ou centralizações mais desagradáveis, e a pessoa que tira a foto pode estar vendo coisas diferentes (o ângulo, a câmera no dispositivo, outras coisas no ambiente).

Portanto, as selfies não são particularmente naturais da maneira que pensamos em nossa imagem ou nas fotos tradicionais. Algumas das minhas pesquisas também indicam que as pessoas que postam selfies no Instagram são vistas de maneira menos favorável do que aquelas que postam fotos mais tradicionais. Uma de nossas teorias sobre isso é que as selfies parecem mais artificiais e menos naturais aos olhos de quem vê também.