Se você esteve muito ocupado essa semana, a Apple mostrou novos iPhones, mas continua a vender alguns modelos antigos — do iPhone 7 em diante, para ser mais exato, que começou a ser comercializado em 2016. No entanto, se você quiser migrar para o mundo Apple, talvez o seu aparelho não precise ser um dos novos dispositivos mostrados pela empresa de Cupertino.

• iPhone XR tem produção atrasada por causa da tela LCD
• [Hands-on] iPhone Xs Max: esse celular é gigantesco ou é exagero?

Para simplificar o assunto: os aparelhos de 2016 e 2017 ainda dão um caldo e podem ser uma boa opção. Ainda que a empresa não tenha baixado o preço dos aparelhos no Brasil (lá fora, os modelos ficaram mais baratos), você pode comprar um de segunda mão, esperar alguma promoção ou a chegada dos novos modelos, que deve baratear os atuais.

Abaixo, reunimos alguns motivos para você considerar comprar alguma opção antiga em vez dos caros iPhone XR ou iPhone Xs:

1) Você ainda pode usar o iOS 12

O iOS 12 vai ser liberado em 17 de setembro com uma série de melhorias, de melhor suporte à realidade aumentada a ferramentas para controlar o vício em smartphone. Além disso, o iOS 12 vai chegar para o iPhone 5s em diante. Você não está perdendo as últimas inovações de software da Apple ao pegar um iPhone 7 ou um iPhone 8.

Dito isso, há pelo menos dois recursos que hardwares antigos não vão receber, como Animoji e os face stickers do Messenger (para isso, é necessário uma câmera selfie sofisticada), mas a maioria dos recursos disponíveis no iOS 12 vão funcionar bem em iPhones a partir de 2016 e 2017.

Lógico que a transição de tela e apps podem abrir mais rápido nos dispositivos mais novos, mas não vai ser algo muito grande (estamos testando o iOS 12 em um iPhone 7 Plus e está tudo funcionando muito que bem). Além disso, se você comprar o iPhone 7 ou o iPhone 8, você sabe que ainda vai receber atualizações nos próximos anos.

2) Economizar dinheiro

Tudo é relativo ao preço que você paga — o iPhone Xs Max é sem dúvidas o maior e mais bem construído feito pela Apple, mas é também um dos maiores preços de aparelho do ano. Mesmo se você dinheiro para comprá-lo, esse dinheiro não poderia ser melhor gasto em outras coisas? (Talvez, você queira comprar um Apple Watch ou, sei lá, pagar umas contas).

Vamos dar uma analisada nos preços dos iPhones, primeiro nos EUA e depois no Brasil.

Lá, um iPhone 7 de 4,7 polegadas custa US$ 449 (32 GB) ou US$ 549 (128 GB). O iPhone 7 Plus é vendido por US$ 569 (32 GB) ou US$ 669 (128 GB). O iPhone 8 de 4,7 polegadas custa US$ 599 (64 GB) e US$ 749 (256 GB). Já a versão Plus de 5,5 polegadas custa US$ 699 (64 GB) e US$ 849 (256 GB).

No Brasil, diferente de outros anos, a Apple não baixou o preço dos modelos antigos. Apenas removeu alguns modelos de seu site oficial. O iPhone 7 (32 GB) custa R$ 3.199, enquanto a versão com mais armazenamento é vendida por R$ 3.699 (128 GB). As versões Plus custam, respectivamente, R$ 3.799 e R$ 4.299 — pesquisando no varejo dá para achar versões mais baratas em varejistas. O iPhone 8, por sua vez, começa em R$ 3.999 (64 GB) e vai até R$ 4.799 (256 GB). As versões Plus vão de R$ 4.599 (64 GB) a R$ 5.399 (256 GB).

Ainda não temos os novos aparelhos à venda. No entanto, se você comprar nos EUA, o iPhone 8 Plus não tem um preço tão diferente do iPhone XR de 6,1 polegadas — que custa US$ 749 (64 GB), US$ 799 (128 GB) e US$ 899 (256 GB). Aí tem as versões do iPhone XS, que começam em US$ 999 (64 GB), US$ 1.149 (256 GB) ou US$ 1.349 (512 GB), e finalmente os iPhones Xs Max com tela de 6,5 polegadas, com opções de US$ 1.099 (64 GB), US$ 1.249 (256 GB) ou US$ 1.449 (512 GB).

Para colocar isso em perspectiva, você pode comprar três iPhones 7 de 32 GB e ainda sobrar com a grana de um iPhone Xs Max de 512 GB. Talvez, a comparação mais justa seja com os modelos de 256 GB — com o preço de um iPhone 8, você pode adicionar US$ 150 para comprar um iPhone XR, ou US$ 400 para o iPhone Xs, ou US$ 500 se quiser um iPhone Xs Max. Isso torna o iPhone XR uma das melhores opções entre os iPhones novos.

3) Talvez você não necessite das últimas melhorias

A Apple gosta de enfatizar que a velocidade aumenta em cada versão lançado do iPhone — o último chipset A12 Bionic que é de 15 a 50% mais rápido e eficiente que seu antecessor, o A11 Bionic (presente nos iPhones de 2017); isso faz com que o processador seja de 25 a 70% mais rápido e eficiente que seu antecessor, o A10 Fusion, lançado em 2016.

Não estamos duvidando do que a Apple diz, mas, sejamos sinceros, qual benefício você vai obter com esses telefones no dia a dia? A maioria dos apps parece abrir mais ou menos na mesma velocidade nas duas últimas edições do iPhone — e embora exista uma diferença em benchmarks conforme o tempo passa, o uso real do telefone não parece sofrer impacto significativo nesses aparelhos menos novos.

Para as demandas de edição de vídeo, games sofisticados e uso de processamento neural (que começou em 2017) — como processamento de imagem ou de fala — as diferenças devem ser mais significativas entre as gerações, mas não significante o suficiente que valha centenas de dólares a mais. Se você quiser um rápido em vez de um super rápido, os iPhones 7 e 8 são aparelhos a serem considerados.

Isso também se extende às câmeras: os novos iPhones têm câmeras melhores, mas quão melhor elas são? Não mexemos ainda nos aparelhos lançados, mas podemos dizer que o iPhone X atingiu no DxOMark (um ranking de câmeras) a pontuação 97, enquanto o iPhone 7 Plus atingiu 88 com os mesmos testes. Aqui talvez o dinheiro faça a diferença.

O site Unlockr fez um teste completo de câmera com iPhones entre os anos de 2015 e 2017, e você pode tirar suas próprias conclusões: embora as fotos nos iPhones mais novos sejam melhores, especialmente em condições adversas de iluminação, as fotos tiradas pelo iPhone 7 Plus e iPhone 6 Plus dificilmente são ruins, na verdade são bem boas. Mesmo se você for um instagrammer profissional, o iPhone 7 e o iPhone 8 não vão te decepcionar.

4) Você não precisa do Face ID (ou o Animoji)

FaceID é simples e seguro e nós não vamos argumentar contra isso — nós só não temos certeza se vale um acréscimo de US$ 300. Vá de iPhone 7 e iPhone 8 e você continuará com a beleza do TouchID, que também é simples e seguro, e também funciona para destravar o telefone quando você estiver olhando para outra direção.

Não é que a gente não goste do Face ID, mas a gente só acha que o Touch ID é bacana também, ainda que a Apple considere uma tecnologia velha. Com o OnePlus 6T e o Galaxy S10, que devem ser lançados com leitores de digitais sob a tela, vai ser interessante ver se a Apple deixará o Touch ID de lado para sempre.

Um outro recurso que você provavelmente pode viver sem é o Animoji (e o Memoji). Essas figuras animadas animadas possibilitadas por câmeras selfies sofisticadas, usadas exclusivamente no iPhone X ou aparelhos superiores, são distrações até divertidas, mas a gente não precisa disso, né? Instale o Bitmoji em vez disso que a diversão vai ser parecida.

Caso você tenha perdido o lançamento de setembro da Apple, nós reunimos aqui as principais novidades mostradas pela empresa da maçã.

Fotos por Gizmodo