As geleiras em toda a Antártica estão sofrendo com a rapidez com que o gelo está derretendo. Não existe uma geleira da Antártica cujo destino tenha mais consequências para o nosso futuro do que a Thwaites, e novas pesquisas mostram que as coisas não estão indo nada bem para ela.

Os pesquisadores sabem que a geleira Thwaites está em apuros devido à invasão das águas quentes, mas nunca haviam realmente analisado os dados da parte de baixo da plataforma de gelo flutuante da geleira — até agora. Um novo estudo publicado na Science Advances na sexta-feira (9) apresenta as primeiras observações diretas do que está acontecendo sob a famosa plataforma de gelo, incluindo a temperatura e a salinidade da água que flui sob ela, bem como a força da corrente.

O que eles descobriram é muito preocupante. Os autores explicam que o suprimento de água quente para a base da geleira é maior do que os cientistas acreditavam, o que significa que é ainda mais instável do que pensávamos. Visto que costuma ser chamada de “geleira do fim do mundo”, isso é particularmente ameaçador.

A geleira Thwaites é um grande e vasto pedaço de gelo que flui do manto de gelo da Antártica Ocidental para a Baía de Pine Island, uma parte do Mar de Amundsen. A plataforma de gelo de 192 mil km² está desaparecendo mais rápido do que qualquer outra na região, em grande parte por causa das águas que circulam abaixo dela e desgastam sua base. Se ela entrar em colapso completamente, isso poderá ter um efeito devastador no aumento global do nível do mar.

O novo estudo é baseado em observações de campo de 2019, quando uma equipe de vários cientistas enviou um submarino laranja autônomo chamado Ran para baixo de Thwaites. Por 13 horas, o veículo subaquático percorreu duas depressões profundas sob a geleira que canalizam a água quente em sua direção. Ao fazê-lo, o veículo capturou dados mostrando que a água quente — quente para uma geleira, atingindo 1,05 grau Celsius — está girando em torno dos “pontos de fixação” cruciais da geleira, ou os pontos de contato onde a plataforma de gelo encontra o alicerce que o mantém no lugar. Essa água quente está derretendo esses porões cruciais, abrindo espaço para rachaduras e depressões no gelo que podem tornar a plataforma ainda mais instável.

“A preocupação é que essa água esteja entrando em contato direto com a parte inferior da plataforma de gelo no ponto onde a língua de gelo e o fundo do mar raso se encontram”, Alastair Graham, professor associado de oceanografia geológica da University of Southern Florida e coautor do estudo, que estava na expedição de pesquisa à geleira, escreveu em um e-mail. “Esta é a última fortaleza de Thwaites e, uma vez que se desprenda do leito do mar em sua própria frente, não há mais nada para a plataforma de gelo se agarrar. Essa água quente também está provavelmente se misturando dentro e ao redor da linha de aterramento, profundamente na cavidade, e isso significa que a geleira também está sendo atacada em seus pés, onde está apoiada na rocha sólida.”

A descoberta de água quente confirma as preocupações anteriores de um projeto separado, em que outro grupo de 100 cientistas perfurou um buraco de 609 metros na geleira.

“Este estudo preenche lacunas críticas em nosso conhecimento nesta área e, sem dúvida, permitirá grandes avanços na modelagem deste sistema e, portanto, melhores projeções”, David Holland, um glaciologista da Universidade de Nova York que trabalhou no estudo anterior, mas não no mais recente, escreveu em um e-mail.

À medida que o submarino se movia ao redor de uma das calhas, ele também capturou dados mostrando água de baixa salinidade na área de 1,05 mil metros abaixo da plataforma de gelo. Esse nível de salinidade é compatível com o da baía vizinha de Pine Island. Os cientistas pensavam anteriormente que esta parte da geleira estava protegida das correntes da baía por uma espessa crista subaquática. Mas parece que eles estavam errados — as descobertas indicam que está fluindo livremente para a calha. Isso vincula intimamente seu destino à baía, mais do que os modelos climáticos representam atualmente.

Não é apenas com a invasão das águas quentes de Pine Island Bay que devemos nos preocupar. Usando as leituras do submarino, os autores também mapearam os canais ao longo dos quais a água quente é transportada em direção à geleira Thwaites. Eles descobriram que mais água quente também está surgindo ao longo da plataforma continental.
“Thwaites está realmente sendo atacado pelo oceano de todos os lados”, disse Graham.

Tudo isso tem consequências gravíssimas para quem vive no litoral. O colapso da geleira Thwaites aumentaria os níveis do mar em 0,5 a 0,9 metro e também poderia desencadear uma cadeia de eventos ainda pior porque poderia iniciar o colapso de outra plataforma de gelo próxima em perigo, a Geleira Pine Island. Juntas, essas plataformas atuam como um mecanismo de frenagem no gelo terrestre que , se lançado em águas abertas, pode aumentar o nível dos mares para até 3,1 metros, ameaçando as cidades costeiras ao redor do mundo.

Nas últimas quatro décadas, explicou Graham, os dados de satélite mostraram que a geleira está fluindo para o oceano com muito mais rapidez. Claro, ela reabastece um pouco quando a neve fresca cai e se compacta em novo gelo, mas isso não está acontecendo rápido o suficiente para compensar suas perdas.

Para aprender mais sobre esse processo, os cientistas estão tentando estudar o máximo que podem sobre a geleira. Enviar um submarino por baixo dela representa um passo grande e inovador. Mas ainda há muita incerteza sobre a rapidez com que ela está chegando à beira do colapso.

O estudo ilustra a importância das medidas de adaptação ao clima, incluindo considerar os benefícios potenciais de retirar comunidades das costas. Isso é ainda mais relevante diante do alerta de Graham sobre a incerteza da morte de Thwaites poder ou não ser evitada.

Assine a newsletter do Gizmodo

“Nós podemos (e eu enfatizo que podemos) já ter alcançado e passado um ponto onde realmente não há mais salvação para Thwaites, não importa o que nós, como humanos, façamos ao nosso clima”, disse Graham.

Ele sabe como isso é assustador mais do que ninguém, já que ele mora na costa do Golfo da Flórida. Mas nem tudo está perdido.

“Pode haver mecanismos físicos que ainda não descobrimos que podem ajudar Thwaites a se estabilizar e o ‘dia do juízo final’ pode nunca chegar”, disse ele.