As geleiras na Antártica estão mudando o conceito de “ritmo glacial”. Um novo estudo de uma área pouco observada no continente descobriu que o aumento do calor está fazendo com que as correntes de gelo fluam mais rápido, o que tem consequências preocupantes para o aumento do nível do mar.

A pesquisa, publicada esta semana na Nature Communications, usa um quarto de século de registros de satélite para observar mudanças na plataforma de gelo de Getz, no oeste da Antártica. O estudo “é o primeiro a mostrar que essa região está se acelerando em longas escalas de tempo multidecadais”, disse a autora principal, Heather Selley, por e-mail. “É apenas com mapas detalhados de onde as mudanças estão ocorrendo que podemos investigar o processo físico que impulsiona a mudança.”

Selley explicou que, embora os cientistas já tivessem observado mudanças no nível do gelo na região de Getz, eles não podiam ter certeza se era por causa de processos atmosféricos, como menos neve ou derretimento do gelo superficial, ou mudanças na velocidade do gelo. Este último é impulsionado pela água mais quente do oceano que reduz o gelo flutuante e aponta para impactos preocupantes das mudanças climáticas. O novo estudo permite aos cientistas associar de forma mais concreta o aquecimento oceânico de longo prazo às mudanças na plataforma de gelo.

Os resultados são de cair o queixo. A velocidade das 14 geleiras estudadas aumentou em média quase 23% entre 1994 e 2018. Três dessas geleiras aumentaram mais de 44%. Um fluxo de gelo particularmente rápido estava se movendo 59% mais rápido do que há duas décadas.

A perda de gelo também aumentou drasticamente. As geleiras perderam 315 gigatoneladas de gelo – o suficiente para encher 126 milhões de piscinas olímpicas – durante esse período. E a perda se acelerou ainda mais nos últimos anos. Entre 1994 e 1999 e 2000 a 2009, a área perdeu 5,6 e 5,8 gigatoneladas por ano, respectivamente. Mas entre 2010 e 2018, a taxa de perda de gelo disparou para 24,8 gigatoneladas por ano. Esse fenômeno é responsável por pouco mais de 10% da contribuição total da Antártica para o aumento do nível do mar desde o início dos anos 1990.

Esses cubos posicionados sobre Manhattan representam o gelo perdido ao longo do tempo na região de Getz, conforme descrito no estudo, e mostram claramente que a perda de gelo está aumentando. Imagem: University of Leeds/ESA/mapa base do Google

A plataforma de gelo Getz está em uma área de grande importância para a compreensão do aumento do nível do mar, mas comparativamente pouco se sabe sobre a região. Getz não está exatamente em uma lista de destinos turísticos para cruzeiros na Antártica. É tão remoto que nenhum homem pôs os pés em partes da região, e nove das 14 geleiras no estudo nem foram nomeadas.

“Existem apenas alguns estudos sobre Getz, em comparação com centenas de pesquisas sobre geleiras do Setor do Mar de Amundsen (Thwaites e Pine Island)”, observou Selley. “Este estudo mostra que a aceleração percentual das geleiras de Getz é comparável à aceleração medida em Thwaites e na Ilha de Pine, mostrando a importância da região de Getz em relação às geleiras que mudam mais rapidamente na Antártica.”

Thwaites e Pine Island estão entre as geleiras mais ameaçadas da Antártica. Pesquisadores que viajaram a Thwaites no ano passado perfuraram a porção flutuante da geleira e registraram observações diretas da água do mar quente fluindo por baixo. David Holland, um glaciologista da Universidade de Nova York que realizou a pesquisa, disse em um comunicado à imprensa na época que isso “sugere que pode estar passando por uma perda imparável que tem enormes implicações para o aumento global do nível do mar”.

As novas descobertas na região de Getz representam mais uma preocupação. A Antártica tem um grande impacto no aumento do nível do mar mundial, e entender como o gelo se comporta no continente está se tornando cada vez mais crucial para descobrir o que poderemos enfrentar no futuro. Além do mais, as plataformas de gelo que desabam na região comportam-se como rolhas saltando de uma garrafa de vinho, libertando uma torrente de gelo para o mar e criando mais instabilidade e derretimento na região.

As geleiras Thwaites e Pine Island, por exemplo, são a rolha do gelo terrestre que, se jogada no oceano, pode elevar os mares em 3 metros ou mais. Prestar mais atenção em como áreas pouco estudadas como Getz estão se saindo será importante para nos preparamos para o futuro.

“Se não entendermos por que as mudanças estão ocorrendo, não podemos modelar a mudança com precisão”, disse Selley. “Isso, por sua vez, significa que não podemos prever com segurança a perda futura de gelo e a contribuição da Antártica ao nível do mar”.