O edifício mais alto do mundo, o Burj Khalifa em Dubai, tem insanos 828m de altura. Em 2018, a Kingdom Tower na Arábia Saudita promete ser ainda mais alta, com 1.000m. Existe um limite prático para esta escalada arquitetônica?

Fora a ameaça de um deus que não queira ver os humanos chegarem dessa forma aos céus, há alguns fatores que limitam o tamanho de nossas torres. A maioria deles são motivos práticos, como aponta o Atlantic Cities.



Há o motivo óbvio do dinheiro, é claro: uma torre gigantesca custa muitos bilhões. Mas não só: elevadores se tornam problemáticos quando o edifício fica alto demais. É fácil imaginar o motivo: o elevador precisa ser mais rápido e bem mais confiável que num prédio comum.

Além disso, quanto mais alta for a torre, maior precisa ser sua base. O artigo cita como exemplo o conceito do edifício X-Seed 4000, que seria construído em Tóquio: ele teria 4.000m de altura, mas sua base teria quadras e quadras de extensão para a torre ficar estável.

Bem, e se você tiver dinheiro, terreno e muitas pessoas dispostas a enfrentar uma longa viagem de elevador? Aí não estaria fora de questão construir arranha-céus com quilômetros de altura. Tim Johnson, presidente do Conselho de Edifícios Altos, diz ao Atlantic Cities que ele trabalharia na criação de um edifício que poderia chegar a 3.000m de altura se fosse construído:

Nós provamos que é fisicamente possível… construir um edifício com 2.400m de altura. Se alguém dissesse “aumente para 3.200m de altura”, nós provavelmente poderíamos fazer isto também.

Desde que o edifício tenha um alicerce suficientemente amplo, não há motivo que limite a altura de arranha-céus: eles podem chegar além da mais alta montanha. A parte difícil é a logística para criar um símbolo gigantesco e fálico e construí-lo de fato. [Atlantic Cities]

Imagem por Rahhal/Shutterstock.com