O Google pode ter adiado o seu evento, mas soltou de uma vez um furacão de notícias que pegou muitos de surpresa. Entre as novidades, o surpreendente (depois de todos os vazamentos, ainda teve esse poder) Nexus 4 e o Android 4.2 ganharam os holofotes, assim como o Nexus 10 e sua belíssima tela, e falaremos detalhadamente deles. Mas a beleza das novas cartadas do Google estão nos detalhes do novo sistema robótico, que por sorte não ganhou um nome de sobremesa. As minhas quatro favoritas:

As fotos do Photo Sphere

Fotos panorâmicas são bem legais, mas isso tem um potencial bem mais incrível. Dá só uma olhada no vídeo:



Sim, um Google Street View amador. O Google basicamente trouxe a expertise de mapeamento de ambientes em 360º e 3D e a colocou em seu software. O resultado é uma série de fotos em JPEG que são unidas por dados XML, e podem ser compartilhadas de diversas formas. Alguns apps já exploraram essa possibilidade, mas não de maneira tão animal, e fico curioso em como as pessoas poderão fazer projetos de mapas em crowdsourcing com informações mais ricas, como será mais fácil conhecer um imóvel para alugar, etc etc etc. Resta saber os detalhes técnicos de que aparelho rodará e qual o tamanho limite do negócio, mas na entrevista ao Verge, Hugo Barra mostrou um nível de detalhe absolutamente impressionante. Olhe neste vídeo.

[UPDATE: Sim, o Photosynth faz mais ou menos isso. E eu já usei ele lá atrás no iOS (é o mesmo app do Windows Phone), mas os resultados são bem terríveis e a interface é complicada. O do Google parece não só ser bem melhor e mais intuitivo, mas com mais possibilidades de compartilhamento. Isso, especificamente, que me interessa mais]

“Gestos”

Depois de relativamente tímidas atualizações de software da Apple (com o iOS 6) e o Google (com o 4.1, aparando as arestas depois das grandes mudanças do ICS), ficávamos nos perguntando onde as empresas poderiam melhorar bastante a experiência. Mais gestos parece ser um caminho. Por muito tempo ficamos restritos ao “rolar com um dedo” e “movimento de pinça”. O Google começa a entender que é preciso mudar isso: no Android 4.2, deslizar dois dedos pra baixo a partir do topo da tela (ao invés de um só) traz uma outra barra, com configurações rápidas. No novo app de câmera, pressionar por um segundo a tela traz um menu rápido onde é possível, por exemplo, ligar ou desligar o flash deslizando o dedo para esquerda. Isso também facilita a operação com uma mão. Com um pouco de jeito e costume, esses gestos poderão ser incorporados ao vocabulário do usuário como atalhos no teclado, dando opções mais rápidas aos usuários mais curiosos para acelerar as tarefas. E Hugo Barra deixou claro que quer fazer mais coisas assim.

Google NowA invasão de privacidade inteligente do Google Now

O Google Now agora é capaz de tirar algumas informações úteis do seu email, se você deixar. Na demo de Hugo Barra, o Nexus 4 conseguiu entender um email com um lembrete de reserva de passagem e outro de confirmação de envio de mercadoria (com número de rastreamento) e criar um “card”, espécie de lembrete vitaminado. Basicamente depois de receber a confirmação do vôo o Android 4.2 automaticamente cria um evento na agenda que lembrará você na hora certa. Bem incrível.

Music Discovery

É um pequeníssimo detalhe e há apps que fazem coisas ligeiramente parecidas (como o Discovr, visualmente igual), mas é uma sensacional maneira de navegar por uma loja de conteúdo:

Ser bastante fluido também ajuda na experiência. Outro detalhe que me cativou neste Music Discovery é que ele ajuda a dar uma coerência visual ao Android, coisa que só começou a partir do 4.0. Agora o Play completo precisa vir logo para o Brasil.

Há outras funcionalidades interessantes, como a evoluída barra de notificações, opção de múltiplos usuários no tablet e o Miracast, versão potencialmente mais barata do AirPlay da Apple. A redação está ocupada com Windows Phone 8 (e matérias mais longas sobre os aparelhos-surpresa), mas eu sempre acredito nas belezas dos detalhes, a achei que essas doçuras da jujuba remodelada poderiam ficar perdidos. Eles não merecem.