O Raspberry Pi 400 acaba de ser lançado oficialmente, e ele pode ser a opção ideal não apenas para quem gosta de programar, mas também para quem está em busca de um computador com preço acessível e recursos básicos.

Talvez um dos grandes atrativos do novo mini computador seja o seu design. O Pi 400 nada mais é do que um teclado compacto branco e rosa com um computador embutido. Ou seja, basta conectar esse teclado a um monitor ou TV e você terá uma máquina pronta para as atividades simples do dia a dia.

Segundo o post no blog do Raspberry Pi Foundation, houve um crescimento acelerado na demanda pelo pelo Raspberry Pi 4, lançado em junho do ano passado, devido à pandemia de COVID-19, já que muita gente está trabalhando e estudando de casa. Assim, o Raspberry Pi 400 está sendo lançado agora com um design mais amigável e atraente, porém com especificações muito similares ao modelo de 2019.

O Pi 400 conta com um processador quad-core 1.8GHz ARM Cortex-A72 CPU — ligeiramente mais rápido em relação ao Pi 4 de 1.5GHz –, além de 4GB de memória RAM, Gigabit Ethernet, Bluetooth 5.0, e Wi-Fi 802.11ac.

No teclado, há duas saídas HDMI de até 4K/60Hz, duas portas USB 3.0, e uma porta USB 2.0. O cabo de energia se conecta pela porta USB-C, e há entrada para um cartão microSD e um header GPIO para conectar outros dispositivos.

No início do lançamento, o Pi 400 estará disponível no Reino Unido, Estados Unidos, Alemanha, França, Itália e Espanha. Há duas opções de preços: US$ 70 apenas pelo teclado e US$ 100 para o kit que inclui mouse, cabo de força USB-C, cartão microSD, cabo HDMI e um guia para iniciantes. Segundo a Raspberry Pi, serão lançadas, em breve, outras versões do teclado adaptadas para o mercado sueco, dinamarquês, português e japonês.

Kit de US$ 100 do Raspberry Pi 400 que inclui mouse, cabo de força USB-C, cartão microSD, cabo HDMI e um guia para iniciantes. Crédito: Raspberry Pi

Apesar dos produtos Raspberry Pi serem conhecidos como o computador ideal para crianças que querem aprender a programar, Eben Upton, fundador da companhia, disse ao The Verge que a ideia é ajudar qualquer pessoa que precise de um computador.

Ainda segundo ele, a empresa vê o Pi 400 sendo utilizado até mesmo no ambiente corporativo como máquinas desktop. Nesse caso, o design atual nas cores branco e rosa talvez tenha que ganhar versões adaptadas. “Nós teremos que fazer em cinza e preto e isso vai quebrar nossos corações. Nós fazemos nossos produtos em rosa e branco e achamos que é a cor certa, e então somos levados, com relutância, ao cinza e preto”, afirmou Upton, em tom de brincadeira, ao The Verge.

Um ponto importante ressaltado pelo Verge é que o Pi 400 pode se beneficiar muito com a decisão da Apple de utilizar a arquitetura ARM em seus computadores Mac. Durante muito tempo, esse tipo de processador era associado a uma performance limitada e, portanto, seria adequado apenas para celulares e tablets. No entanto, ver a empresa da maçã apostando nessa arquitetura para construir um dos computadores mais potentes do mercado pode ser um incentivo para desenvolvedores criarem e otimizarem seus softwares para rodarem melhor em ARM, beneficiando o ecossistema de soluções open-source e o Raspberry Pi.

Por enquanto, o kit de US$ 100 do Raspberry Pi 400 está à venda no Reino Unido, EUA e França, chegando à Itália e Espanha na próxima semana. Na Alemanha, a opção de US$ 70 que inclui apenas o teclado já está disponível, mas o kit só será vendido a partir da semana que vem. Segundo a empresa, o mini computador será lançado na Índia, Austrália e Nova Zelândia até o final deste ano, com o objetivo de chegar a outros países nos primeiros meses de 2021.

[The Verge, Raspberry Pi]