A conferência WWDC, da Apple, começou nesta segunda-feira (4), e, dentre as melhorias que estamos vendo para iOS, está um suporte maior para realidade aumentada. Um ARKit novinho em folha está chegando, e, junto com ele, alguns apps e recursos impressionantes poderiam tornar a realidade aumentada mais do que apenas uma novidade.

Ainda estamos longe de ver algo verdadeiramente incrível em realidade aumentada, mas é importante lembrar o quanto esse assunto importa para a Apple. O CEO da empresa, Tim Cook, disse repetidas vezes que acha que a realidade aumentada é um dos desenvolvimentos mais importantes para o futuro a longo prazo da Apple. No ano passado, ele disse à Vogue: “Não acho que exista qualquer setor ou indústria que não será tocada pela realidade aumentada”.

• Modo noturno e arrumação automática da área de trabalho: as novidades do macOS Mojave
• Novo iOS 12 promete acelerar seu iPhone e te deixar menos viciado em tecnologia

Ainda estamos vendo avanços incrementais por ora, mas tudo faz parte de construir o plano de fundo de software que vai abastecer o inevitável headset de realidade aumentada que a Apple pode ou não lançar em 2019.

Eis o que a empresa mostrou nesta segunda-feira:

Alguns exemplos de objetos em realidade aumentada compartilháveis em espaços no mundo real. Captura de tela: Apple

Formato de arquivo USDZ

A Apple diz ter trabalhado com a Pixar para criar um novo formato de arquivo para realidade aumentada. Ele se chama USDZ e pode ser usado para compartilhar e interagir com objetos de realidade aumentada na ecosfera do iOS. Por exemplo, você poderia enviar para o seu (sua) namorado (a) um objeto de cafeteira 3D, e ele/ela poderia testar como ele ficaria no balcão da cozinha.

Acima de tudo, o formato é projetado para otimizar o compartilhamento de realidade aumentada em um formato compacto que possa ser usado para seja lá o que grandes criadores podem inventar.

Um parceiro de criação que a Apple trouxe para ajudar a construir a funcionalidade do USDZ foi a Adobe. A empresa está colocando suporte nativo ao USDZ no conjunto de aplicativos da Creative Cloud. Designers poderão editar de forma nativa objetos em realidade aumentada no software com que estão familiarizados — talvez tão facilmente quanto se estivessem usando um lens flare em um JPEG. Com um novo app de iOS, qualquer elemento poderia ser pego da Creative Cloud e visto em realidade aumentada. Mais detalhes sobre esse novo app devem chegar em breve.

App de medidas fazendo medições 3D em eixos X, Y e Z. Captura: Apple

Medidas

O som de mil desenvolvedores de ARKit gritando pôde ser ouvido quando a Apple apresentou o seu app de fita métrica. A fita métrica foi um app comum de vermos sendo testado por desenvolvedores antes que a primeira versão do ARKit fosse formalmente lançada. Ele é um aplicativo básico de realidade aumentada, e já existem vários desses na loja de aplicativos. Porém, agora, a Apple está lançando seu app “Measure” oficial, e ninguém precisará recorrer a uma trena digital de terceiros novamente — a não ser que o app da Apple seja uma droga.

Integração de notícias

Uma maneira como a Apple quis exibir a integração do USDZ na plataforma iOS foi em como ela poderia se integrar com artigos de notícias. Um artigo de revista sobre jardinagem japonesa foi mostrado no telão, e, quando um usuário rolou para baixo, eles puderam ver uma renderização em 3D de um peixe Koi. Tocar em um controle maximizava a imagem, ela era animada, e o usuário podia deslocá-la ou aplicar zoom em torno dela.

Você possivelmente já viu algum tipo de vídeo interativo em um artigo do New York Times, mas a Apple está vendendo isso como uma maneira muito mais simples de transformar os recursos originais de realidade aumentada em notícias. Ela também provavelmente estava exibindo alguns recursos extravagantes de revistas enquanto promove o Texture, o serviço de “Netflix para revistas” adquirido pela empresa em março. Você provavelmente verá esse aplicativo exibindo muitos recursos de realidade aumentada.

ARKit 2.0

A menos que você seja um desenvolvedor, a maior parte do que está acontecendo sob o capô do novo ARKit não será importante para você. “Tudo melhor” é basicamente o resumo da ópera. Mas o maior destaque deve ser o fato de que ele está trazendo experiências persistentes e compartilhadas. Além do multiplayer para realidade aumentada. Duas ou mais pessoas poderão fazer login em um aplicativo e ver os mesmos objetos de realidade aumentada no mesmo espaço compartilhado.

Um aplicativo de exemplo foi mostrado e estará disponível para desenvolvedores imediatamente. Ele mostrava dois jogadores frente a frente, lutando para derrubar um monte de blocos de madeira falsos em uma mesa real. Cada jogador usou seu iPad como um estilingue para derrubar as formas de madeira, e um terceiro observador podia até mesmo ver o que os outros jogadores estavam fazendo de uma perspectiva totalmente diferente.

Integração em realidade aumentada de Lego. Captura de tela: Apple

Parceria com a Lego

Para coroar suas novidades de realidade aumentada, a Apple trouxe alguns representantes da Lego para mostrar como a gigante dos bloquinhos de construção vai usar realidade aumentada para fazer uma espécie de experiência no estilo de The Sims com seus conjuntos. Foi de longe a demonstração mais rica em recursos mostrada no palco nesta segunda-feira.

Os representantes da Lego apresentaram um único conjunto de Lego “Assembly Square” construído à mão. Na demonstração, até quatro jogadores podiam abrir seus iPads, e, de repente, as ruas foram aparecendo ao redor do prédio. Mais edifícios, personagens e veículos Lego foram adicionados para preencher a cidade. Personagens viviam dentro dos prédios e seguiam suas vidas, e aqueles personagens que os jogadores controlavam podiam dirigir veículos. Missões de jogo como apagar incêndios e salvar transeuntes de um prédio em chamas foram mostradas. E o mundo inteiro criado pelos jogadores podia ser salvo para depois e retomado a qualquer momento.

[Apple WWDC]