No ano passado, o famoso Relógio do Juízo Final do Boletim dos Cientistas Atômicos chegou mais perto do que nunca da meia-noite. A atualização deste ano testa se você é uma pessoa que vê o copo meio cheio ou meio vazio. O relógio está no mesmo precipício assustador que no ano passado graças às “duas ameaças existenciais simultâneas” da mudança climática e da guerra nuclear, bem como a preocupação crescente com os esforços para rebaixar a verdade e com a guerra de informação.

• O que você pode fazer para realmente reduzir a mudança climática
• Dados visuais perturbadores mostram quantas pessoas morreriam em uma guerra nuclear
• Estudo sobre “fake news” descobre que o inimigo da informação somos nós, não os bots

O Relógio do Juízo Final é uma relíquia encantadora da Guerra Fria, ou pelo menos foi até começar a chegar perto da meia-noite. O Boletim dos Cientistas Atômicos inicialmente concebeu o relógio para medir quão próximo o mundo estava da aniquilação nuclear a partir de 1947. Mas a partir de 2007, expandiu-se para considerar a mudança climática. E não é de surpreender que isso tenha adiantado o ponteiro para mais perto da meia-noite.

Em 2018, ele chegou aos dois minutos da meia-noite, empatando em 1953 como o momento mais perigoso em que o mundo já havia estado. Em 2019, ainda estamos lá, vivendo em um mundo que os organizadores de relógios chamam de “novo anormal” em uma coletiva de imprensa realizada hoje. É um espaço liminar arriscado para habitar, onde a complacência pode significar um desastre para a humanidade.

“Parece que estamos normalizando um mundo muito perigoso em termos de risco de armas nucleares e mudança climática”, diz Rachel Bronson, presidente do Bulletin of the Atomic Scientists, na entrevista coletiva deste ano.

Esses guardiões do fim dos tempos escolheram manter o relógio em dois minutos para a meia-noite por alguns motivos. Na frente nuclear, novos mísseis sendo implantados pela Rússia, a instabilidade da Coreia do Norte e o comportamento errático do presidente Trump estão aumentando o risco de uma guerra nuclear, intencional ou não.

A guerra cibernética é também uma força desestabilizadora sobre as nações, assim como ataques contra nossa realidade compartilhada. Esses ataques à realidade têm sido particularmente pronunciados quando se trata de mudanças climáticas, o que está criando um verdadeiro cenário de inação, um completo pesadelo.

A humanidade está entrando em uma década crítica, em que percorrerá um longo caminho para decidir em que tipo de clima nós vamos viver. Apesar disso, as emissões de carbono aumentaram em 2018, e o acordo climático do mundo está em sérios problemas. E, claro, os EUA, o maior emissor histórico de carbono do mundo, estão avançando a todo vapor com a produção de combustíveis fósseis.

“O novo clima anormal que temos já é extremamente perigoso, e estamos caminhando para um caminho que o tornará ainda mais perigoso”, disse Susan Solomon, cientista climática do MIT, na coletiva.

Nada disso quer dizer que vamos chegar à meia-noite. Ainda parece muito triste estar tão perto da aniquilação, mas o relógio já foi para trás antes. Bronson disse que o objetivo do relógio é fazer com que as pessoas falem sobre os riscos que a humanidade enfrenta e exigir ações para enfrentá-los. O mundo só precisa se apressar, porque estamos ficando sem tempo.