Já passaram mais de 500 anos após a morte de Leonardo Da Vinci, e pesquisadores ainda estão descobrindo quão talentoso e brilhante ele era. Arquitetos e engenheiros civis do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) usaram uma impressora 3D para criar uma réplica de uma ponte desenhada por Da Vinci, mas que nunca foi construída. Para a surpresa deles, não só deu certo, como também tinha um design revolucionário, ainda que tenha sido pensada há cinco séculos.

Segundo a história, em 1502 o sultão Bayezid II queria construir uma ponte para conectar a cidade de Istambul à cidade vizinha de Galata.

Um dos designs propostos veio de Leonardo Da Vinci, que já era conhecido por seus trabalhos científicos e artísticos na época. Em uma carta que ele enviou ao sultão, junto de um caderno cheio de esboços, Da Vinci descreveu uma ponte que atravessaria a distância proposta usando um único desenho de arco achatado, apoiado por base em quaisquer uma das margens.

As pontes da época eram tipicamente feitas com uma série de arcos semicirculares, e para percorrer a distância entre as duas cidades seriam necessários pelo menos 10 cais uniformemente espaçados entre eles para apoiar toda a estrutura. O design de Da Vinci, que facilmente permitiria que veleiros passassem por baixo dele, era radicalmente diferente (e séculos à frente de seu tempo), e é provavelmente por isso que o sultão decidiu não correr o risco. Meio milênio depois, os pesquisadores estavam curiosos para saber se teria dado certo.

Desenho de Da Vinci ao lado de esboço da réplica feita pelos estudantes do MIT
Desenho de Da Vinci (à esquerda) e as estruturas da ponte concebidas pela equipe de engenheiros e arquitetos do MIT. Crédito: Karly Bast e Michelle Xie

As notas e observações originais que descrevem a ponte não especificaram quais materiais seriam usados para construí-la ou como ela realmente deveria ser feita. Mas os pesquisadores do MIT concluíram que o único material que forneceria resistência adequada era a pedra e, com base nas técnicas de construção comumente empregadas na mesma época em que Da Vinci concebeu este projeto, a ponte provavelmente teria sido projetada para confiar na gravidade para manter todas suas peças juntas.

Para testar suas suposições, a equipe do MIT criou uma réplica em uma escala de 1:500, medindo cerca de 80 cm de comprimento, que seria montada a partir de 126 blocos de diferentes formas e tamanhos, criados por uma impressora 3D. A ponte real, se realmente tivesse sido construída, exigiria milhares de blocos de pedra cinzelados com precisão para sua montagem, mas a abordagem adotada pelo MIT para a réplica ainda lhes permitia testar adequadamente a viabilidade de seu projeto.

Não só deu certo o projeto, como a estrutura dela ficou forte e estável sem o uso de fixadores ou argamassa, mas a equipe do MIT também percebeu que Da Vinci havia criado uma maneira para minimizar movimentos laterais indesejados na estrutura, o que rapidamente levaria ao seu colapso.

Os fundamentos de ambos os lados da ponte em arco apresentavam desenhos que se estendiam para fora para adicionar uma quantidade considerável de estabilidade. A ponte ainda teria sobrevivido à maioria dos terremotos, que eram comuns naquela área, como descobriram os pesquisadores do MIT ao colocar sua réplica em duas plataformas móveis. Não era indestrutível, mas teria sido uma maravilha arquitetônica antiga.