Uma impressionante restauração de imagens de arquivo de 88 anos mostra uma visão colorida do último tigre da Tasmânia em cativeiro.

Esses animais foram vistos pela última vez na década de 1930 e até agora não havia imagens coloridas deles. A única filmagem existente tem aproximadamente 100 segundos no total e mostra espécimes em cativeiro. Também não há imagens conhecidas deles na selva, nem há qualquer gravação de suas vocalizações. Por isso, os tigres da Tasmânia, também conhecidos como tilacinos, são, compreensivelmente, bastante misteriosos.

É isso que torna esta nova filmagem colorida tão interessante. O Arquivo Nacional de Filmes e Som (NFSA) da Austrália encomendou a restauração para comemorar o Dia Nacional das Espécies Ameaçadas, que o país reconhece a cada 7 de setembro. A data marca a morte de Benjamin, o último tigre da Tasmânia conhecido, que morreu em cativeiro em 1936. Samuel François-Steininger da Composite Films realizou a colorização, de acordo com um comunicado de imprensa do NFSA.

O projeto exigia alta tecnologia, pesquisa meticulosa e uma pitada de arte. A filmagem original foi feita pelo naturalista David Fleay no Zoológico Beaumaris em Hobart, Austrália, em dezembro de 1933. O filme mudo tem quase 80 segundos de duração e é o mais longo entre os 10 filmes de tilacinos conhecidos. O vídeo mostra Benjamin andando de um lado para o outro em seu cercado, deitado, bocejando, farejando e se coçando.

“Enfrentei um tipo diferente de desafio – e responsabilidade. Tive que cuidar das raras imagens filmadas e prestar homenagem ao último representante de uma espécie, que desapareceu há 85 anos”, disse François-Steininger à imprensa. “Eu me importo muito com os animais e descobri a história do animal enquanto morava na Austrália em 2012, e isso realmente me comoveu.”

Assine a newsletter do Gizmodo

O projeto provou ser difícil, pois a qualidade da alta definição significava que havia muito o que colorir, incluindo manchas densas de pelos e mechas desgrenhadas de cabelo. Além disso, François-Steininger precisava obter a cor certa, bem como as tonalidades e tons. Para esse fim, ele fez referência a peles de tilacino preservadas em museus, esboços e pinturas, e descrições escritas. A coisa toda levou cerca de 200 horas.

“Estou muito feliz e orgulhoso de prestar homenagem ao tilacino neste dia especial”, disse François-Steininger. “Espero que este projeto ajude a comunicar e aumentar a conscientização sobre as espécies vegetais e animais em risco de extinção.”