[Review] – O Surface Go, da Microsoft, é um laptop praticamente perfeito para quem quer o básico

É indiscutível que US$ 550 (quase R$ 2.100) é bastante dinheiro… a menos que estejamos falando de computadores. Nos EUA, é comum ter modelos na casa dos US$ 1.000. Então, quando vemos máquinas boas e que custam até US$ 550, é uma ótima notícia. E é isso que torna o Surface Go, da Microsoft, tão especial, um laptop barato que é bem interessante.

O Surface Go é um laptop 2 em 1. Mas é um modelo muito bom se você considerar o preço dele comparado com outros aparelhos da mesma categoria. Ele é um tablet, mas com um acréscimo entre US$ 100 e US$ 130, você consegue uma capa com teclado que é extremamente robusta e que não é inconveniente para um dispositivo com tela de 10 polegadas. Graças ao seu tamanho reduzido, é uma capa bem melhor de se usar no colo que a do Surface Pro.

O Microsoft Surface Go é uma opção de tablet mais barato que pode brigar com o iPad

A máquina é disponibilizada em duas configurações nos EUA (não existe previsão para chegar no mercado brasileiro): uma versão de US$ 400 com 64 GB de armazenamento e 4 GB de RAM, e uma versão de US$ 550 com 128 GB de armazenamento e 8 GB de RAM. Eu avaliei a versão mais potente.

Este primo de 10 polegadas do Surface Pro, que é mais rápido e maior, pode lembrar um iPad na primeira vez que você vê-lo. Eles são bons tablets, com pouquíssimas entradas (o Surface Go tem uma porta USB-C, uma porta de áudio 3,5 mm e uma porta para carregamento), e podem ser destacados de capas com teclado. O Surface Go tem o mesmo tamanho de um iPad Pro de US$ 650 — embora, ele seja quase 500 gramas mais pesado.

Embora fabricantes de laptop e de smartphones tenham começado a reduzir as bordas, o Surface Go tem uma borda grande, o que o torna um pouco esquisito. Mas, como no iPad, ela faz sentido durante o uso no modo tablet. Meus dedos nunca acidentalmente tocaram a tela quando eu estava folheando alguma história em quadrinho ou navegando na internet, e eu gostei do fato de poder segurá-lo apenas com uma mão sem me preocupar de tocar acidentalmente a tela.

Devido ao seu pequeno tamanho, acabei utilizando-o no lugar do meu iPad. Utilizei para navegar por e-mails e mensagens de amigos enquanto via televisão. Eu ficava com ele enquanto preparava o café da manhã, de modo que eu pudesse checar o Slack a todo momento — vai que meu chefe tenta falar comigo, né? Algo do Surface Go que eu não gostei é o fato de ele não rodar jogos móveis tão rapidamente quanto acontece no iPad, além de não ter muitas opções. A Windows Store não chega nem perto da App Store, e navegar pelo Gog ou Steam em busca de um jogo que pode rodar no Surface pode ser uma tarefa tediosa.

Vamos ser claros: você não vai jogar games tradicionais de PC o Surface Go. A Microsoft diz que trabalhou duro com a Intel para otimizar a performance do seu processador Pentium 4415Y, e devo admitir que para tarefas simples como navegar e checar e-mail, o Surface Go parece uma máquina bem poderosa. Mas ao abrir o Photoshop você rapidamente nota que o Surface Go tem um processador barato dentro de seu fino chassis. Como resultado de nosso teste com Photoshop, alterei o tamanho e converti uma série e fotos do formato RAW para JPEG. O Surface Go levou 2 minutos e 27 segundos para realizar a tarefa. Isso representa mais de um minuto a mais que outros laptops que eu já testei.

Crédito: Alex Cranz/Gizmodo

Ele também foi mal em um benchmark de game em que conseguimos rodar o teste. Ao tentar jogar Civilizations VI em sua melhor configuração, o Surface Go levou 340 milissegundos para renderizar cada frame. Este é o resultado mais lento que já vi em máquinas que testei — embora seja importante notar que o Asus Nova Go, um computador Windows com CPU da Qualcomm não tenha conseguido nem rodar o benchmark.

O Surface Go também teve nota baixíssima no Geekbench 4 — embora ainda supere o caro Asus Nova Go. O Surface Go teve como resultado multicore 3.924 e com single core pontuou 2.028. À título de comparação, o Nova Go teve 3.075 no multicore e 794 com single core. Para entender quão baixos são esses números, a pontuação média de multicore de laptops que nós testamos é de 11025, e em média a pontuação com single core é de 4.095.

O que esses números significam é que esse aparelho não vai processar grandes arquivos ou grandes números rapidamente. Grande arquivos PDF e imagens RAW levam um tempo para carregar. Às vezes, o navegador vai se tornar lento e isso ocorre também com as outras abas abertas. Mas lembre-se é um aparelho 2 em 1 de US$ 500. Então, algum tipo de desvantagem tem que ter, né?

Tirando a questão do desempenho, o Surface Go é bacana. A autonomia de bateria é parecida com a dita pela Microsoft: 9 horas (conseguimos 8 horas e 5 minutos). A proporção 3:2 da tela de 10 polegadas tem uma nítida resolução de 1.800 x 1.200 pixels, que lida bem com filmes tão bem quanto o caro iPad Pro. Mesmo o combo teclado e touchpad é menor do que o que acompanha o Surface Pro, e é foi bem legal usá-lo.

E cá estou eu comparando esse Surface Go com o iPad Pro. Como o aparelho da Apple, a capa de teclado é opcional e cara — mas a capa de teclado da Microsoft é melhor que da a Apple de várias formas. Primeira, o fato de que tem um touchpad — o iPad não tem. Além disso, as teclas são retroiluminadas e ágeis.

Detalhe das teclas da capa do Surface Go. Crédito: Alex Cranz/Gizmodo

No entanto, a grande vantagem da opção da Microsoft sobre o iPad e de qualquer 2 em 1 ou tablet nessa faixa de preço, é a dobradiça na parte de trás do Surface Go. É igual àquela presente no Surface Pro e, por mais bobo que parece, é uma razão importante para comprar o Surface Go.

Com meu iPad, eu tenho que dobrar a capa precariamente se eu quiser apoiá-lo para ler na minha cama. Quando tento digitar com ele no meu colo, ele cai como um castelo de cartas. Em comparação, o Surface Go é tão estável quanto um laptop. Não me preocupei em nenhum momento enquanto escrevia matérias, e eu gostei bastante da quantidade de ângulos que poderia configurar a tela enquanto via um filme ou lia um livro.

Frequentemente, quando você compra um produto nessa faixa de preço, parece que algo dentro do produto foi sacrificado. Não me refiro à processamento — por dentro, o Surface Go tem hardware típico de aparelhos na faixa dos US$ 550. Me refiro ao design do aparelho. Até o Surface Go, os únicos laptops baratos com um toque especial eram o o HP Stream e o Samsung Chromebook Plus. Ainda que esses dispositivos pareçam que tenham saído da prateleira de uma Black Friday, eles são baratos e fica claro os materiais de que são feitos.

Surface Go permite diversas formas de apoio. Crédito: Alex Cranz/Gizmodo

O Surface Go parece com uma versão menor do premium Surface Pro. E é um dispositivo bem bonito — o tipo que as pessoas vão notar com admiração enquanto você está no café ou em alguma reunião. É a prova de que laptops de baixo custo não precisam parecer baratos, e espero que o aparelho da Microsoft inspire outras fabricantes a considerar seriamente em construir dispositivos com custo benefício e bonitos.

Se quiser uma boa máquina Windows para navegar na internet, mandar e-mail e escrever textos no Word, o Microsoft Surface Go está aí para isso — é o dispositivo que você deve comprar. Procurando por um segundo computador? Não precisa nem pensar, vai no Surface Go. Podem ter laptops de baixo custo com melhor configuração, mas o Surface Go parece a representação perfeita do que os laptops em sua faixa de preço devem ser.

Clique aqui para ver mais fotos do Microsoft Surface Go.

Direto ao ponto: Microsoft Surface Go

  • O preço começa em US$ 400
  • É bonito pra caramba.
  • A dobradiça é perfeita.
  • A autonomia de bateria é aceitável.
  • Não tem um processamento poderoso.



A Microsoft começou a vender nos Estados Unidos o Surface Go, um laptop 2 em 1 honesto e ideal para quem quer o básico, como navegar na internet, digitar textos e responder e-mails. Saiba mais.