A mídia estatal russa publicou um vídeo nesta quarta-feira (5) do mais recente sistema de armas a laser do país, o Peresvet. A decisão veio apenas um dia depois de os Estados Unidos dizerem que provavelmente se retirariam de um tratado sobre armas nucleares importante entre os dois países, e o momento da divulgação do vídeo não parece ser uma coincidência.

“Os sistemas a laser Peresvet, baseados em novos princípios físicos, entraram em serviço de combate em (um) regime de testes com as forças armadas russas”, disse o jornal do Ministério da Defesa russo, de acordo com uma tradução em inglês.

Quando o presidente russo, Vladimir Putin, fez seu discurso anual à Assembleia Federal da Rússia em março, ele prometeu implantar algumas armas de alta tecnologia em um futuro próximo, e o novo sistema a laser recebeu o que poderíamos chamar de “lançamento brando” em julho, quando o exército revelou o primeiro vídeo do dispositivo. Mas, à medida que as tensões aumentam entre os EUA e a Rússia, parece que Putin não quer que o Ocidente esqueça que a Rússia está desenvolvendo diversas novas armas caso a Nova Guerra Fria fique quente.

O Sputnik, um dos meios de comunicação de propaganda do Kremlin, publicou nesta manhã um vídeo da nova arma, embora ele pareça muito com o vídeo que foi publicado em julho.

E o que o sistema laser Peresvet consegue fazer? Até agora, a Rússia não está nos dando nenhuma especificação. Mas o país quer assegurar aos Estados Unidos que, se eles saírem do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (Tratado INF), como o Departamento de Estado dos EUA ameaçou fazer nesta terça-feira (4), a Rússia está pronta para ir ao ponto de atacar países europeus se for necessário.

“Se o Tratado INF for destruído, não deixaremos isso sem uma resposta”, disse nesta quarta-feira o chefe do Estado-Maior da Rússia, Valery Gerasimov, dirigindo-se a líderes militares. “Vocês, como profissionais militares, devem entender que o alvo da retaliação russa não será o território dos EUA, mas os países onde os mísseis de alcance intermediário estão implantados.”

O Tratado INF proíbe a implantação de novas armas nucleares de alcance intermediário com um alcance entre 500 km e 5.500 km — o tipo de mísseis de alta potência que representariam uma ameaça para a Rússia se fossem colocados em países europeus próximos, como a Polônia e a Romênia.

Os Estados Unidos, supostamente liderados pelo Conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Bolton, afirmam que a Rússia já está violando o Tratado INF e que a Rússia tem 60 dias para se conformar ao acordo antes que os EUA anulem o tratado de 1987. O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, fez o ultimato nesta terça-feira, em uma reunião entre os líderes da OTAN em Bruxelas.

Mas Putin não está se escondendo do que considera uma enorme provocação. O presidente russo chamou a potencial violação do tratado de “passo impensado” e disse que a Rússia “reagiria de acordo”.

“Muitos outros países — cerca de uma dúzia deles, provavelmente — produzem tais armas (violando o Tratado INF), e a Rússia e os Estados Unidos têm se limitado bilateralmente”, disse nesta quarta Putin, de acordo com o Financial Times.

“Agora, aparentemente, nossos parceiros americanos acreditam que a situação mudou tanto que os Estados Unidos deveriam ter essa arma. Qual é a resposta do nosso lado? Bem, é simples: também o faremos, então.”

A Nova Guerra Fria certamente se parece muito com a Velha Guerra Fria.

[TASSSputnik]