Após o trailer de God of War: Ragnarök ser revelado na PlayStation Showcase, muito se especula sobre a continuação da jornada de Kratos e Atreus. Mas para aqueles que esperam uma trilogia como foi a que começou no PS2, melhor diminuir as expectativas.

Cory Barlog, diretor de GoW de 2018, revelou em entrevista ao canal Kaptain Kuba que o novo jogo será o último da saga nórdica. O motivo? Tempo, cada jogo do Deus da Guerra demora cerca de cinco anos para ser feito, o que pode se tornar um trabalho colossal. “O primeiro jogo durou cinco anos. O segundo jogo, não sei quanto tempo vai demorar, mas desconsidero que vai demorar um tempo semelhante para fazer”.

Ele acredita que fazer isso seria alongar demais a mesma história. “Então se você pensar, uau, um terceiro no mesmo [período] estamos falando de quase 15 anos de uma única história. Eu sinto que isso é muito extenso”.

Você pode conferir a entrevista completa aqui:

Outro motivo para uma saga mais curta em quantidade seria que eles pretendem focar na relação pai e filho. “Muito do que estávamos tentando fazer desde o início, era contar algo sobre Kratos e Atreus. O núcleo do motor da história é realmente a relação entre os dois personagens”, explicou Barlog.

Em Ragnarök, Kratos, Atreus e Mimir desvendam as terras nórdicas enquanto os deuses Thor e Freya serão os dois principais antagonistas em busca de vingança, já que ambos sofreram com perdas por conta do Fantasma de Esparta.

Assine a newsletter do Gizmodo

O diretor do novo título é Eric Williams, que trabalha como designer nos estúdios Santa Monica desde o primeiro God of War, enquanto Barlog será o produtor e que está trabalhando em um novo jogo, mas que ainda não foi revelado muitos detalhes.

God of War: Ragnarök será lançado em algum momento em 2022 para PS4 e Ps5.

[Eurogamer]