O Sailfish é o sucessor do MeeGo que está sendo desenvolvido pela Jolla, uma empresa que conta com vários ex-funcionários da Nokia. Nós já tínhamos visto um vídeo de apresentação da plataforma, mas agora podemos entender melhor como ela vai funcionar.

O Engadget deu uma boa observada no Sailfish e preparou o vídeo acima mostrando os principais recursos do sistema.



Ele é bem diferente dos sistemas que estamos acostumados a usar. Tudo é feito a partir de gestos: a partir da tela de bloqueio, você pode deslizar o dedo para baixo para escolher algumas ações rápidas – como colocar o aparelho no modo silencioso, por exemplo. Deslizando o dedo para cima, surgem as notificações e o indicador da bateria. É assim também que você desbloqueia a tela e chega à tela inicial do Sailfish.

A tela inicial é bem limpa e mostra os apps que estão rodando no momento, além de atalhos para funções como ligações, câmera ou mensagens – e, é claro, esses atalhos podem ser personalizados. Deslizando o dedo novamente para cima surge o menu com todos os apps, distribuídos em grade. Os apps abertos surgem na página inicial como widgets e podem ser controlados sem precisar abrir a interface completa. Esses gestos vão funcionar em todos os apps e também nos widgets – no de música, por exemplo, você desliza o dedo para a esquerda para pausar, ou para a direita para avançar.

Tudo no Sailfish é feito com o deslize dos dedos. Para editar o perfil de um dos seus contatos, por exemplo, basta deslizar dedo para baixo para ver na parte de cima da tela as opções editar ou apagar – a Jolla chama isso de “pulley menu”. Deslizando os dedos para os lados você volta para a tela que estava visualizando antes, sem a necessidade de um botão específico para isso.

O Sailfish é bonito e a demonstração da Jolla é bem convincente – o sistema parece bastante sólido e intuitivo, além de bem diferente do que temos hoje. Mas fica a dúvida sobre seu futuro. Por enquanto ele só terá aparelhos fabricados pela própria Jolla. Em relação aos apps, sabemos que ele terá suporte aos disponíveis para Android – o que é muita coisa.  A demonstração foi feita em uma versão para desenvolvedores do N950, mas vale lembrar que a Jolla não faz parte da Nokia, nem é afiliada a ela – então provavelmente veremos algo bem diferente do Nokia N9

Ele não tem data certa para chegar ao mercado – a previsão é 2013. Será no mesmo ano do Tizen, outro OS baseado no MeeGo que conta com apoio da Samsung – a coreana pode anunciar smartphones com a plataforma durante a Mobile World Congress, em fevereiro, e deve lançá-los em diversos mercados do mundo em algum momento do ano que vem. [Engadget via The Verge, The Next Web]